quarta-feira, abril 13, 2016

Tenho tanto Sentimento

Sou o que quiseres... Mas quando eu quiser.

2 comentários:

  1. Eu me encanto, a cada dia mais, com esse poema. Eu o conheci, em 1971 quando fazia o segundo ano do colegial, através de minha professora de Literatura Portuguesa. Foi um soco na minha cara. O primeiro poema que li, que me fez sonhar em algum dia escrever alguma coisa...
    E encontro-o aqui, falado em Português de Portugal, e hoje vejo-o, o poema, mais sublime ainda.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pessoa, ortónimo, para mim é sublime. Beijos amigo

      Eliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.