sábado, 21 de julho de 2018

As pessoas amam a Pink

Porque todos os dias tenho um fã confuso (sendo sendo a mesma gaja podre) a fazer comentários e tentar denegrir a minha imagem perante pessoas que , embora virtualmente, me são queridas.
Só quem ama, vem picar o ponto todos os dias não é? Pronto amor, vomita que eu apago.

Eu posso provar (porque existem mails, confidências, conversas trocadas), a qualquer blogger com quem me dou , que eu sou a verdadeira e única Pink Poison .

Ninguém derruba a Pink Poison!!! (nem as que se queixam e pediram)


 

Eu, sou do mundo. Mas do outro...

you're hard worker

Eu, sou do mundo. Mas do outro...

A Pink vai ter um treco!

O meu ídolo dia 29, em Portugal.
Eu chorei, eu ri e nem sei se vou chorar de emoção ou saltar muito nesse dia.




Eu, sou do mundo. Mas do outro...

Enche-me o depósito (isto soou mal)

Eu, sou do mundo. Mas do outro...
O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

sexta-feira, 20 de julho de 2018

Génio a trabalhar !

 #idolo
O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

Código de Honra das Mulheres Celtas



As mulheres de origem Celta eram criadas, tão livremente como os homens. A elas era dado o direito de escolher seus parceiros e nunca poderiam ser forçadas a uma relação que não quisessem. Eram ensinadas a trabalho para que pudessem garantir seu sustento, bem como eram excelentes amantes, donas de casa e mães.

“Ama o teu homem e segue-o, mas somente se ambos representarem um para o outro o que a Deusa Mãe, ensinou: amor, companheirismo e amizade”
“Jamais permitir que algum homem a escravize: Nasceste livre para amar, e não para ser escrava”
“Jamais permitir que o teu coração sofra em nome do amor. Amor é um ato de felicidade, porquê sofrer?!”
“Jamais permitas que os teus olhos derramem lágrimas por alguém que nunca te fará sorrir”
“Jamais permitas que o uso do teu próprio corpo seja cerceado. O corpo é a moradia do espírito porquê mante-lo aprisionado”
“Jamais fiques horas à espera por alguém que nunca virá, mesmo tendo prometido”
“Jamais permitas que o teu nome seja pronunciado em vão, por um homem cujo nome tu não saibas”
“Jamais permitas que o teu tempo seja desperdiçado com alguém que nunca terá tempo para ti”
“Jamais permitas ouvir gritos em teus ouvidos. O Amor é o único que pode falar mais alto”
“Jamais permitas que paixões desenfreadas te levem do mundo real para outro que nunca existiu”
“Jamais permitas que outros sonhos misturem-se com os teus, tornando-os num grande pesadelo”
“Jamais acredites que alguém possa voltar quando nunca esteve presente”
“Jamais te permitas viver na dependência de um homem como se tivesses crescido invalida”
“Jamais te ponhas linda e maravilhosa para um homem que não tenha olhos para te admirar”
“Jamais permitas que teus pés caminhem em direção a um homem que anda a fugir de ti”
“Jamais permitas que a dor, a tristeza, a solidão, o ódio, o ressentimento, o ciúme, o remorso, e tudo aquilo que possa tirar o brilho dos teus olhos te dominem, fazendo arrefecer a força que existe dentro de ti

O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

Hoje

 

Hoje a chuva falou comigo.
Disse-me, cada gota, que eu era outra. Outra personagem, que estava a cruzar outros caminhos. Nem bons nem maus apenas que o monte Olimpo continua com a cadeira cor-de-rosa está à minha espera.
Antes.
Depois.
Diferente.
Sem graça.
Com a graça que se quiser dar.
Dar.
Entrega.
De umas flores
De um beijo
De um relatório
De que importa tudo isso quando estamos em frente a uma praia com ondas enormes e que nos manda para a cara a maresia, misto de frio e bem -estar.
Hoje abri os braços a uma praia assim. Basta um fechar de olhos e sentes-te a levitar. Hoje, por uns segundos, escondi-me um pouco...
Serena.
Composta.
Renovada.
Cansada.
Amor.
Levita.
Gravita.
pega numa migalha de amor e transforma-a num pão.



O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

Boa sexta

O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

quinta-feira, 19 de julho de 2018

DiciOrdinário

Já conhecem?
Deviam!




 É a obra, divertida , com um toque picante da minha amiga São Rosas  do blog https://blog.afundasao.com/ onde tenho o privilégio de colaborar. A "São Rosas" é das melhores conselheiras que conheci na blogosfera e, a par com o meu Soulmate, das pessoas com quem mais desabafo.

Segundo a Chiado Editora

Sinopse

DiciOrdinário – dicionário ordinário. Qualquer semelhança com outros dicionários é pura conincidência.
O DiciOrdinário é uma homenagem ao linguado português. Trata-se de um verdadeiro serviço púbico pois, já desde o tempo em que se phodia, muito tem sido escrito sobre sexo oral mas pouco é dito sobre o sexo escrito. Eça é que é Eça. E não estamos aqui para engatar ninguém.

O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

A chama

Ela teve que cantar nua , em estúdio, para conseguir o tom certo... O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Mindfullness, cabeça cheia?

Uns estão de cabeça cheia de nada. E meditar e o zem e o camandro , não sei por que motivo se tornou moda. Já aqui tinha escrito um post para desmitificar o zen.



É uma reflexão crítica, por um lado, sobre um novo negócio que começa a surgir, muito florescente, em torno da mindfulness. Formações apressadas, dispendiosas, que supostamente habilitam as pessoas a praticarem sozinhas ou até ensinarem. E isso é pouco compatível com a tradição da meditação, na qual não se ensina antes de praticá-la durante dezenas de anos. Hoje há cursos que passam diplomas em oito semanas. A meditação está-se a tornar uma coisa escolarizada. Uma pessoa paga para fazer uma formação e depois tem um certificado para poder ensinar aos outros.


O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

Velhinha, eu continuo a gostar

O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

terça-feira, 17 de julho de 2018

Da interpretação dos outros

Os outros, não se lembram que existem pessoas atentas.
Pessoas que, não sendo piores ou melhores, apenas ligam mais a um pormenor ou outro. Portanto quando os outros nos julgam, analisam, acusam-nos de coisas que não fazemos, é porque eles acham que alguém é capaz, quem? Eles.
Quantos são aqueles que abrem o seu blog e procuram um gif, fazem um texto, põem uma citação, uma música, ou nem isso?
E quantos são aqueles que, abrem os blogues de quem não gostam, analisam tudo e escolhem de quem vão falar mal? E julgam, batem no ceguinho. ..
Porque existe tanta coisa boa de se dizer mas o mal é o melhor caminho, então não é mais fácil chamar filho da puta a alguém do que perceber o que o fez agir assim ou simplesmente voltar as costas, irmos aos blogs que gostamos e de quem gostamos. entre férias e tarefas de merda (dar instruções à governanta, andar a dar todas as dicas de onde moro por causa de um gato desaparecido ...) , há malta que , entre trabalhos a sério, gosta de ir aos blogs que lhe parecem interessantes.

A sério? Mas a sério que usaram a desculpa comigo "eu nem vejo o teu blog, deram-me o link, uma pessoa que já me disse adeus 67553 vezes (não, não estou a falar do Jorge)", és uma puta mas estou cá caidinho todos os dias mesmo sabendo que tu sabes quem eu sou , se podes escrever um texto, é porque podes, senão foste tu, merda de gaja, nem a merda de um texto consegues escrever"...

Ah, aquilo no tumblr é calmo...



O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

Pois é querido, e por falares em amigos que não conheces

Burro



O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

Eterno Pessoa (Pedro Lamares)

O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

segunda-feira, 16 de julho de 2018

A Tourada vista por um veterinária que acompanha "os maus"


O touro vive uns 4 anos na campina habituado à companhia de outros da mesma espécie em espaço largo e com razoáveis condições. Terá já passado por momentos violentos de ferra, de tentas É escolhido para a lide numa tourada. Com ou sem sedação, apartam-no violentamente, com muito uso do bastão eléctrico, para uma manga e enfiam-no numa caixa apertada onde mal se pode mexer. A ansiedade provocada pelo aperto cresce em tremenda claustrofobia ao passar da liberdade e tranquilidade da campina para o "caixote" onde fica confinado, violentamente afastado da companhia importante dos outros bovinos a que o ligam laços emotivos. A seguir cresce o pânico do transporte. Depois a espera, com pouco ou nenhum alimento e bebida. Talvez sendo injectado, a ponta dos cornos será cortada, provavelmente, até ao extremo vivo e muito enervado, ficando extrema e dolorosamente sensível ao contacto. Para não sangrar, cauteriza-se a sangue frio. (Há touros que não resistem a esta operação e morrem de acidente cardiovascular provocado pelo sofrimento). Sofre outras acções destinadas a fatigá-lo, debilitá-lo, retirar-lhe capacidade para a lide. Mais tarde, a condução ao curro escuro da praça de touros. É empurrado a seguir para a arena (beco sem saída) suportando logo o enorme alarido da multidão e da música ruidosa (para se sobrepor ao seus berros), o que ainda mais o assusta, a visão ficando ofuscada pela luz do sol. Depois a provocação, o engano, o cravar das bandarilhas/arpões, que o ferem e magoam terrivelmente, através da pele, e não só, pois frequentemente também aponevroses, alguns músculos, tendões, vértebras, espáduas e, por vezes, até pleura e pulmão são atingidos, quando erroneamente cravado entre costelas. Tudo isto o faz sangrar e sofrer, o enfurece, magoa, deprime e esgota. Cavaleiros ou bandarilheiros massacram-no. Depois, exausto, fisica e psicologicamente, segue-se a (ou as pegas) pelos forcados, A seguir é retirado com as “chocas”. É amarrado e imobilizado por cordas em volta dos cornos. Brutalmente, tal como foram cravados, os ferros são agora retirados sem anestesia, arrancados ou por corte do couro.
No final de tudo isto, o animal é metido no transporte, esgotado, ferido e febril, em acidose metabólica horrível que o maldispõe e intoxica, até que a morte, habitualmente só alguns dias mais tarde, o liberte de tanto sofrimento. Frequentemente fica, até esse momento, encerrado em veículos de transporte num espaço exíguo, sabe-se lá com ou sem alimento e água e submetido a elevadas temperaturas.
E ninguém, independente, pode controlar isso.

PERCURSO DO CAVALO EXPLORADO NO TOUREIO!
O cavalo sofre esgotamento e terrível tensão psicológica ao ser usado como veículo, sendo dominado, incitado e lançado pelo cavaleiro e obrigado a enfrentar o touro, quando a sua atitude natural seria a de fuga e de pôr-se a uma distância segura.
À força de treino, de esporas que o magoam e ferem, de ferros na boca e da barbela - corrente de metal à volta da mandíbula, que o magoam e o subjugam, o cavalo arrisca morte por síncope/paragem cardíaca, ferimentos mais ou menos graves e, até, a morte na arena por ser atingido pelo touro.

OPINIÃO!
É difícil, senão impossível, acreditar que toureiros e cavaleiros tauromáquicos amem touros e cavalos, quando os submetem a violência, risco, sofrimento.
O mesmo se aplica aos aficionados, que aceitam isso
Questiono-me. porque se continua a permitir uma actividade que assenta na violência e no sofrimento público de animais, legalizado e autorizado por lei e até apreciado, aplaudido e glorificado por alguns?
Numa verdadeira democracia não deveria ser permitida nem legalizada a tortura de animais.

PERGUNTA FUNDAMENTAL!
E senhoras e senhores Deputados da Assembleia da República de Portugal o que acham e como vão votar? Pela abolição ou pela manutenção desta terrível violência contra seres sencientes (como os humanos) e indefesos e inocentes.
CONCLUSÃO:
Seres humanos (tauromáquicos) não devem provocar a outros seres de sensibilidade semelhante (touros e cavalos), sofrimentos a que os próprios agressores (tauromáquicos) não aceitariam ser submetidos.
Porque é a desgraçada vítima dos chamados humanos, “corrido” e torturado?
Para diversão de aficionados, para o alimentar de egos e vaidades, para negociatas de tauromáquicos e no prosseguimento de uma cruel e obsoleta tradição.
É mais do que justo e chegado o tempo da abolição, o que só peca por tardar!!!
As importantes verbas que são atribuídas no apoio à tauromaquia e as isenções que lhe são oferecidas, seriam com justiça e utilidade, preferencialmente, utilizadas para mitigar imensas necessidades!
A tauromaquia é uma vergonha nacional.

Vasco Reis,
Médico veterinário aposentado
Aljezur
 

O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.