segunda-feira, 30 de maio de 2016

A chefe só faz se eu deixar

Em tempos, tive uma chefe que começava a falar mais alto quando o assunto mexia com ela. Na altura eram decisões acerca de famílias carenciadas, crianças abandonadas... E um dia disse-me:
"Eh pá, você desculpe mas eu não consigo falar baixo quando estes assuntos mexem comigo e sou uma bruta mas eu aviso logo no início de cada reunião" E avisava, é certo...
Um dia, eu que não me engasgo a falar, respondi num tom calmo e seco: "Compreendo mas isso não é exemplo de boa educação e comigo garantidamente não o volta a fazer"
"Como? A XXXXX sabe o que está a dizer? A chamar mal educada à sua chefe?"
Respondi: "Sei, mas se você não consegue, é um problema que terá que resolver, não é nada comigo, não me interessa se é bruta ou não a falar, eu quero é reuniões calmas."
"Muito bem: não interessa quando, nem quem, recebi um mail com muita educação exposta mas palavras duras, que magoava. No fim do pior parágrafo a pessoa explicou que tinha como características, o pragmatismo, a falta de emotividade perante alguns contextos e era uma pessoa incisiva. Pode ser isso tudo e muito mais, mas para o meu lado não. Porque eu, se desatar a ser a desbocada que sou, com quem quer que seja, essa pessoa tem o direito de não me ouvir... Hoje disse a essa pessoa que não queria dela nem mais um "ai" dirigido a mim e ainda assim, tinha lá um mail... Como sou pouco curiosa, apaguei e enviei um a dizer "Vi o mail, apaguei, não li". E não li mesmo, sabem porquê? Tive medo de me magoar com o que ia ler.

Ou seja, pode ser isso tudo mas não para o meu lado.
Tal como eu podia chegar a uma reunião à porta fechada e dizer "Colegas eu tenho um problema de gazes mas pronto, eu sou assim e vamos lá trabalhar"... E os outros com isso?

 É que eu, por ser como sou já magoei algumas pessoas, esta pessoa, ainda, AINDA, não percebeu que magoa e bem. E só porque fomos magoados no passado, nada nos dá o direito de magoar agora...
Somos assim, somos pois! 
Mas ninguém tem que nos aturar, começo a achar que desligar o telefone na fronha de alguém, é um acto zen para mim e que se dane a má educação de desligar...

Sou o que quiseres... quando eu quiser.

15 comentários:

  1. Eu tive uma chefe que adora dizer que era frontal, o problema é que a frontalidade dela era nas costas dos outros, e eu com a minha frontalidade disse..."A senhora não frontal, é hipócrita".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois esta, depois da nossa conversa, acalmou...

      Eliminar
  2. Anónimo5/30/2016

    Se quer dizer tudo "cumósmalucos", não me parece que tenho perfil de líder, ou de chefe, ou do raio que a parta.
    Gostei a comparação com um problema de gases. eheheh
    - Olhem, desculpe lá, não me estou a cagar para a conversa, mas tenho um problema de gases eheheheh.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, se temos um problema, os outros não são obrigados a levar com isso.

      Eliminar
  3. Anónimo5/30/2016

    Nem sempre a frontalidade, como agora se chama, é sintoma de boa educação... É que essas pessoas frontais apenas o são se forem elas a dizerem as coisas... se for a ouvir, acaba a frontalidade da outra pessoa, para ser má educação

    Enfim... existe tanta gente assim... seja ou não chefe.

    Fiz um poema erótico lá no cantinho

    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu vi e respondi com um desafio....

      Eliminar
  4. Ui, isso dava pano para mangas. Eu exerço um cargo de chefia e acredita que é muitas vezes lidar com algumas pessoas, mas gritar e humilhar não é atitude de um líder. Já tive de engolir em seco para não descer ao mesmo nível, mas como me foi dito há uns anos atrás, numa formação que fiz e da qual ainda guardo alguns conselhos, há uma percentagem de pessoas das quais devemos desistir à partida e fomentar acima de tudo o espírito de união entre os restantes. Infelizmente, conheço colegas como a tua chefe que até entre colegas se acham as melhores! Enfim...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ela é muito boa profissional, tem garra. Fala com paixão acerca do que faz. Aprendi muito com ela... Mas muito mesmo.

      Eliminar
  5. Ainda bem que não aprendeu a ser deselegante, magoadora e sem-educação.
    Continue assim... e muitas pessoas dirão que tua influência foi decisiva para o sucesso delas...assim como tua chefe não o foi!!!
    Beijos mocinha....é assim na batata... deu... tomou!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aprendeu a deixar de gritar apenas porque o motivo da reunião mexia muito com ela. Mexia com todas nós.

      Eliminar
  6. Bem, era confronta-la com os problemas dos gases como exemplo a ver se ela percebia :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou com os gazes do meu cão, quando ele se lembra de mandar umas bufas de desmaiar!

      Eliminar
  7. Anónimo5/31/2016

    Afinal eu (também) não mereço resposta. Ok. Entendido...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ??????????????????????????????????????????

      Desculpa escapou-me...credo!

      Eliminar
    2. custa não custa, mas foi sem querer!

      Eliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo (se fores uma besta quadrada, nem vale o esforço de escreveres).

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.