segunda-feira, maio 16, 2016

Repost: Tu és maré

 Dizes ser como as marés.
As marés vão e voltam.
Cheias, de braços abertos para o conforto de um ombro, um corpo quente na cama, carinho e tudo mais.
Desaparecem, porque outros portos vão ser visitados, fica o vazio, fica o cheiro, o mexido, o tocado e o bem estar. Mas o vazio está cá.
Imagem daqui
Não o ser especial, o pelo menos fingir que o sou, quando sei que o sou, não está o que houve, outros contextos, contextos correctos, horários cumpridos...
Quando me perguntaste: "Posso ir aí?", a minha impulsividade ia escrever "não" mas acho que todos merecemos sempre mais uma e outra e outra oportunidade. Nunca pensei em oportunidades às pessoas mas sim oportunidades de bons momentos, boas conversas, dar e receber, essa oportunidade eu dei a mim e a ti.
Mas as marés banalizam, as marés fazem com que uma alegria se transforme em frustração, e já havia alguma acumulada, pelo lugar que ocupavas, sim tu, que afinal ainda me lês, aquele lugar que era na caldeira de um vulcão. Isso desapareceu.
Tomei agora a decisão correcta de elevar o meu "nunca mais" do dia 16, data em que tanta falta fizeste.
Fez-me falta inteligência emocional.
Vou dormir outra vez, ia fazer crepes, mudei de ideias.
As marés não servem. Sou um areal diferente. Se TU, que sabes que és tu, não tiras mais partido da diferença deste areal, quem perde és tu.
Eu não, porque não tive, andava ao sabor da tua maré e soube estar acordada a mirar-te enquanto dormias e soube aproveitar tudo da maré... Eu sabia que aquele sms um dia ia surgir numa maré vazia.  
Aqui para ti, sempre, sem ondas.

Sou o que quiseres... quando eu quiser.

15 comentários:

  1. Palavras lindas com bonitas emoções.
    MISS SEICI

    ResponderEliminar
  2. Um texto maravilhoso tal e qual como as maré, como nós, que, também temos as nossas marés, Gostei de ler.
    Excelente semana.

    Beijoos
    Anjinha Sexy

    Prazeres e Carinhos Sexuais

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Maria dos Anjos, por vezes temos que ir voltar... O areal é que nem sempre fica satisfeito... Beijinhos

      Eliminar
  3. Gostei muito do texto Pink, por vezes as pessoas têm de se afastar e compreender a falta que fazemos...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta pessoa precisava de muitas, nunca encontrou tudo numa só, o afastamento foi a solução. :(

      Eliminar
  4. Querida amiga, todas de nós se calhar já sofremos o pesadelo da espera e o desconforto do vazio. Um texto muito bonito que mostra uma realidade dos nossos tempos. Estarmos para alguém que...porventura nunca foi, física e espiritualmente, nosso.

    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta pessoa era um ídolo, quase pai para mim, ensinou-me imenso, um dia fraquejámos, o contexto mudou e o que era certo e rígido passou para a incerteza de uma maré.

      Eliminar
  5. Pois, também há os eternos insatisfeitos... que dificilmente encontrarão a felicidade!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Encontrou antes de mim durante 19 anos, divorciou-se e , nas palavras dele: passou a ser um cão vadio"

      Eliminar
  6. Lindo... Fiquei sem palavras! Escreves com alma e és genuína, por isso me sinto em casa quando venho aqui . Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estás em casa! Também gosto do texto, saiu do coração para o pc!

      Eliminar
  7. WOW... Por vezes damos tanto de nós e não temos o merecido da outra parte, que é uma simples mão amiga quando precisamos...

    ResponderEliminar
  8. Tive muita desta pessoa mas noutro contexto, errámos em entrar pela via emocional/sexual. :(

    ResponderEliminar
  9. Ótimas palavras, nos traz reflexão.
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada... Sublime? Trato - a assim?

      Eliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.