segunda-feira, maio 23, 2016

De cada vez que

que eu leio
poçeção (possessão)
ajeneiras (asneiras)
tava (estava)
crido (querido)
temos lidação (temos uma ligação próxima)
"à" carnaval

Sou o que quiseres... quando eu quiser.

13 comentários:

  1. O calão português, em geral, e em particular o alentejano, é de uma riqueza ímpar.
    Se calhar nem os dialectos africanos têm tanta beleza vocal como o calão da língua portuguesa.

    Por isso... Não te enerves, nem te irrites garota, lool
    .
    Bjuuuuuuuu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nuno, falo de uma miúda do quinto ano.

      Eliminar
  2. Os erros "hotográficos" não são calão e muito menos "ajeneiras". São burrice. eheheh

    ResponderEliminar
  3. Jura? Fiquei com os olhos a sangrar...

    ResponderEliminar
  4. Mesmo. Vendo por certos SMS de certa juventude e mesmo de adultos, escrevem, é um descalabro, lool:
    No meu tempo de escola era uma mártir, quando dava erros. Paginas inteiras de rectificações de 3 ou quatro erros, lol, agora não é assim.
    Mas é de ficar de cabelo em pé :))


    Estou aqui; Prazeres e Carinhos Sexuais

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os telemóveis ainda percebo porque não escrevem logo o que queremos mas asneiras escrito assim? Ia tendo uma coisa má Filipa. Beijinhos

      Eliminar
  5. Bem.., e assim se escreve em bom português! Muito culpa das novas tecnologias...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isto tinha sido um texto tema livre... 😨

      Eliminar
  6. Bendita a minha mãe que me obrigava nas férias a fazer cópias 😜

    ResponderEliminar
  7. opah eu as vezes também mando com cada uma -.-'

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tu é todos. Eu na área do ensino, em casa de ferreiro, espeto de pau. Todos damos erros. Ou melhor ajneiras ih ih

      Eliminar
  8. Iço é purke ocê num mora nu Brasiu!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É chato quando tentas explicar teorias como crises do séc. XIX e tens que fazer um trabalho que a tua colega anterior fez.

      Eliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.