domingo, janeiro 02, 2011

A bolha

A minha bolha, ninguém ma tira.
Essa bolha sabe a sal, sabe a doce e sabe a luxúria. Aliás, o seu sabor é o que me passar pela mente... Uma bolha que existe, cheia de histórias, daquelas que nos deixam a pensar, a imaginar, a dizer não e sim...
A bolha, pára o tempo, exclui quem não deve e é fofa... Existe uma bolha em que eu posso chorar ou fazer chorar, rir e fazer rir, colorir os dias mais negros, cobrir o Sol quando apetece um dia sem luz...
A bolha é minha, atravessa rios, entra em casas, segue-me na mente.
Mente essa que vai onde eu quiser, vai até onde eu sou. E até onde sou eu? Até ao que preciso.
Sou o que dou.
Sou o que sei.
Sou como amo.
Sou como abraço e beijo.
Sou o que cheiro, o que visto, o que digo.
Sou como sei dar os meus afectos.
Sê receptor, sê calor, sê compreensão, sê curiosidade...

NÃO SOU SUPERIOR, SUPERO-ME!

9 comentários:

  1. Essa olha somos nós,a nossa essência,as nossas qualidades e os nossos defeitos,os nossos sonhos,as nossas alegrias, as nossas angústias.

    ResponderEliminar
  2. "sou o que dou
    sou o que sei
    sou como amo"

    Eu escolhi essa parte do seu texto, porque acredito que somos o que fazemos e sobretudo o que sentimos!

    Sabes ser e sentir e fazer com que saibamos e sintamos isso também.

    ;)

    ResponderEliminar
  3. Inês, esta bolha, é outra coisa mas o significado que lhe deste é sem dúvida muito acertado...Beijo

    ResponderEliminar
  4. Cantodaboca: sim, devemos ser tudo isso...
    Bem-vinda,beijos

    ResponderEliminar
  5. Como te percebo, ter uma bolha destas é absolutamente necessário e fundamental para a nossa estabilidade mental. beijo e boa semana.

    ResponderEliminar
  6. A todos; eu não tenho sempre esta bolha mas quando a tenho, aproveito-a ao máximo... Beijos

    ResponderEliminar
  7. Sei que não é o que pretendes dizer com o post, mas permite-me (tentar) aparvalhar, como sempre: também bebes Actimel?! :p

    ResponderEliminar
  8. Pronto...estás com a bolha...

    ResponderEliminar
  9. há bolhas que vêm para ficar e rebentar
    kis :=)

    ResponderEliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.