domingo, janeiro 16, 2011

E de repente

De repente.
Tomo banho, visto-me, entro na carro e direitinha aí, sim aí... Que se lixem as horas, que se lixe tudo, fiquem com tudo, fiquem a rir mas eu fico de bem comigo.
De repente para não mudar o que era, para voltar a 27 ou chegar a 27, de repente eu posso falar chorar ou gritar e tu, sim tu, aceitas, ouves e choras... Como um namoro de um amigo teu que eu vi começar há 16 anos: um abraço banhado em lágrimas. Não, não quero namorar contigo, nem te quero como homem. Assim, de repente!
NÃO SOU SUPERIOR, SUPERO-ME!

7 comentários:

  1. É muito importante estarmos bem connosco.. muito mesmo..

    1 beijinho

    ResponderEliminar
  2. Olá, depois do leve, solto e profundo comentario que deixaste no meu spot, resolvi viajar até ao teu mundo....ele é belo, sabes escolher bem as palavras e bem utiliza-las, gostei, sim, adorei, ganhaste um fã e um lugar no meu spot!!jokas
    spotdoxoco

    ResponderEliminar
  3. E já que gostas das minhas fotos: http://www.wix.com/jfdiniz/joao-diniz-photography
    enjoy!!
    spotdoxoco

    ResponderEliminar
  4. Só1 mulher... sem dúvida!
    beijo

    ResponderEliminar
  5. Choco: assim fico corada... Beijo

    ResponderEliminar
  6. Fizeste-me suspirar com este texto.

    ResponderEliminar
  7. Vera, eu vou suspirar de alívio, mas ainda tarda... Beijos

    ResponderEliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.