sábado, março 26, 2016

Aprender com a experiência

Ler, ouvir e apreender.
Dá que pensar.



O poder da Natureza é infinito. Eu sou Natural...

7 comentários:

  1. Uma belíssima... linda lição de vida... de bem viver... de aproveitar as oportunidades da vida....!!!
    Posso colocar aqui um poema de um poeta brasileiro chamado Mário Quintana?
    "O Tempo

    A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.
    Quando se vê, já são seis horas!
    Quando de vê, já é sexta-feira!
    Quando se vê, já é natal...
    Quando se vê, já terminou o ano...
    Quando se vê perdemos o amor da nossa vida.
    Quando se vê passaram 50 anos!
    Agora é tarde demais para ser reprovado...
    Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.
    Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas...
    Seguraria o amor que está à minha frente e diria que eu o amo...
    E tem mais: não deixe de fazer algo de que gosta devido à falta de tempo.
    Não deixe de ter pessoas ao seu lado por puro medo de ser feliz.
    A única falta que terá será a desse tempo que, infelizmente, nunca mais volta"

    ResponderEliminar
  2. Muito bom! Adorei

    Deixo votos de uma Páscoa repleta de alegria e Paz.
    Abraço => Prazeres e Carinhos Sexuais

    ResponderEliminar
  3. Independentemente da publicação venho aqui deixar o meu voto sincero que a menina Administradora, sua família, amigos, visitantes, comentadores/as e demais pessoas amigas, uma SANTA E FELIZ PÁSCOA, onde as amêndoas presentes, sejam o Amor, a Paz, a cumplicidade e... algum sexo que faz sempre falta.

    PÁSCOA FELIZ

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada caro Nuno, igualmente para ti e os teus. Um beijo grande

      Eliminar
  4. Humm voltei pela deselegância de meu gesto....
    Quero deixar aqui os melhores votos de uma Páscoa, doce, terna e feliz, junto aos que te amam...!!!
    E que todos os que vierem aqui, recebam bençãos pascais!!!!

    ResponderEliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.