sábado, agosto 06, 2011

Melhorar? Limar arestas

Ouço pessoas a dizerem coisas como: "vou ser melhor marido, vou ser uma esposa melhor, tenho que ser melhor amigo..."
Pois, nunca ouvi ninguém dizer: "tenho que ser mais genuíno/a"...
Eu, Pink Poison Maria, não posso melhorar a minha maneira de ser, pensar e agir, porque é o meu instinto, é a minha forma de lidar com as pessoas, com as situações.
Posso, sim melhorar uma questão profissional, um desporto... Mas recuso-me a mudar (mais, pois tive que aprender a viver com uma perna que me dói por causa do filho da puta do meu ex) o meu interior... Se estamos a tentar mudar uma atitude, um sentimento... Deixamos de ser nós.
Prefiro ser eu, autêntica, má, chata, querida, muito sexual, (von, na tua linguagem, pratico a arte da fodenga) mas sou eu e gostem de mim assim ou não gostem.
Isto porque estou a melhorar no meu trabalho mas há cerca de um mês, lidei muito mal com a fraqueza de alguém muito importante para mim e quis afastar-me, esperneei, gritei, chorei... Mas era o meu lado egoísta, e quis então dizer-lhe que embora esse pilar já não apresente a segurança que apresentava, eu gosto sempre dessa pessoa, mesmo com ela a dizer que não é, não faz... Eu gosto dela e farei o que essa pessoa deixar para que, um dia, volte a ser um dos meus pilares, significa que voltou ao que eu já gostava anteriormente. Sem falar, mas já a falar, de tudo o que essa pessoa presenciou de fraquezas minhas. Fui egoísta mas não o volto a ser...

EU, NÃO PAREÇO, EU SOU.

4 comentários:

  1. O ideal é mesmo isso tentar ser o melhor que somos

    ResponderEliminar
  2. Somos como somos não adianta negar, e ou gostam de nós ou detestam-nos e será sempre assim.Mas também só te fazem falta os que gostam de ti ...os outros que se lixem!

    Viva a autenticidade,fora com os dissimulados e sonsos:)

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  3. Reconhecer é o primeiro passo...
    Espero que resulte! :)

    ResponderEliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.