terça-feira, julho 12, 2016

Minha língua





O que quero, quando eu quero, aceitas?

2 comentários:

  1. Essa é uma daquelas frases que EU gostaria de ter escrito...
    Linda a frase... um jogo de palavras sensacional...
    Para não perder o nosso jogo:
    "Teu corpo é poesia.
    Que minha língua descreve..."

    ResponderEliminar
  2. R o meu corpo é a ardósia onde teu giz penetra!

    ResponderEliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.