sábado, 30 de julho de 2016

A minha favorita de sempre para me alienar do mundo

O que quero, quando eu quero, aceitas?

2 comentários:

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo (se fores uma besta quadrada, nem vale o esforço de escreveres).

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.