domingo, abril 03, 2011

Próxima visita FASCINANTE

PAZ

O Jardim da Paz é um espaço com cerca de 35 hectares, idealizado e concebido pelo Comendador José Berardo, em resposta à destruição dos Budas Gigantes de Bamyan, naquele que foi, um dos maiores actos de barbárie cultural, apagando da memória obras primas, do período tardio da Arte de Gandhara. Em 2001, profundamente chocado com a atitude do Governo Talibã, que destruiu, intencionalmente, monumentos únicos do Património da Humanidade, o Comendador Berardo deu início, a mais um, dos seus sonhos, a construção deste extenso jardim oriental. Prestando, de certo modo, homenagem aos colossais Budas esculpidos na rocha do vale de Bamyan, no centro do Afeganistão, e que durante séculos foram referências culturais e espirituais.

Pretende-se, que o Jardim da Paz seja um lugar reconciliação. Sem nenhuma tendência religiosa, abrimos as portas, a todas as pessoas, independentemente, da religião, etnia, nacionalidade, sexo, idade, condição cultural ou social, convidando à união, comunicação e meditação, como forma de redescobrir a felicidade. Ambicionamos, assim, percorrer o caminho contrário à destruição do ser humano e disseminar a cultura da paz.

Entrada: Gratuita
Horário: 7 dias por semana, desde o nascer até ao pôr do Sol.

NÃO SOU SUPERIOR, SUPERO-ME!(e não comprem guerras comigo)

4 comentários:

  1. Linda,
    Já aí estive uma série de vezes, e não me canso de lá ir. Tenho marcado (sem data ainda) para lá voltar em breve. Quando for queres que te avise e vens connosco???

    É UM LUGAR MAIS QUE MÁGICO!!!

    Bjs doces na minha Pink! ;D

    ResponderEliminar
  2. Quem me falou nisso foi o Nicolau e rapidamente fiquei rendida...
    Podemos falar nisso sim... Ms eu não faço poses sexys em escadas :P

    ResponderEliminar
  3. Dá muita vontade de conhecer.
    Numa próxima ida a terras lusas tenho de arranjar tempo para essa experiência. :)

    ResponderEliminar
  4. Pusinko: posso servir de guia...

    ResponderEliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.