sexta-feira, junho 10, 2011

O ZÉ

Ao longo deste blog existe uma tag, com as iniciais do nome dele. O Zé não é um Zé qualquer. Conheci o Zé quando me separei, ele separou-se na mesma época e eu havia alugado uma casa perto da casa da mãe dele. Um sítio pequeno, onde de quem não se sabe o nome, se trata por vizinho/a. Uma tarde, tinha ido encomendar o pão e deparo-me com ele, disse "Boa Tarde" e ele:
" Ó vizinha, ali na sua casa tem o sinal da pen toda?"
"Sim tenho"
" E consegue fazer chamadas de vídeo?"
"Ainda não experimentei"
Estivemos ali uns momentos na conversa e uma senhora que entretanto conheci chamou-me a atenção para ele... E começo a perceber aqueles pormenores, roupas bem escolhidas, de boas marcas, bom corte e uma carrinha que poucos escolheriam na altura...
Como sou uma descarada do caraças, um dia, enfiei na caixa de correio da mãe dele um envelope pequeno com um cartão que dizia: "Quando é que eu sou convidada para jantar?", porque ali todos o conheciam desde pequeno, só podia ser eu, ele lá arranjou maneira de comparar a letra e pronto.  Uma noite, estava a chegar e ele e os amigos estavam reunidos, a hora era tardia, eu passei depressa (aliás o meu carro ficou conhecido como "foguete") mas percebi que ele estava lá. Fiz marcha-atrás, abri o vidro e fiz-lhe sinal, ele veio ao meu carro e eu: "Então vizinho, quando é que vamos jantar?", e ele respondeu: " Eu ligo-lhe" (sim, ainda nos tratávamos por você). Uma noite, 18 de Novembro de 2008, estava eu no blog que era novinho, e recebo um telefonema: "olá, é o teu vizinho", "Como? , quem?... ahhhhhhhhh Olá!", "Cheguei agora de Espanha e ainda não saí do carro... ficámos uns 45 minutos ao telefone até que eu disse: "Então e em vez de estares (evolução para tu) a gastar dinheiro, a um minuto de mim, porque não vais comer qualquer coisa, tomar um duche e passas aqui?", "Ok,"
Bem, eu tomei um duche relâmpago, salto altos, maquilhada qb e atitude.
Ele chegou e levou a um topo de uma serra onde falámos e falámos... "Olha que isto tem caixa automática, com esses saltos, bates nisso e lá vamos nós serra abaixo".
Saí da carrinha e estava um frio enorme, ele veio por trás, rodeia-me com os seus braços e dá-me um beijo na bochecha. Pensei: "Já estás!"...
Fomos para a minha casa, "porque estava mais quente" e ele quis ver o meu blog, vimos o blog comigo sentada no colo dele... Digamos que saiu da minha casa, eram 7:30 da manhã... Ainda existiram alguns encontros, e foi com ele que criei a frase: "Comigo podes ser o que quiseres, quando quiseres, à hora que quiseres", dado que as sms eram trocadas de madrugada ou à hora de todos dormirem
Todas as noites, eu imprimia um texto meu e deixava na caixa do correio dele, e ele dizia que gostava dos mimos pois gostava de me ler.
No Natal, percebi que o tempo do casamento dele tinha terminado. Nem um sms, nada. Ligou-me para saber como estava, e eu quis saber como ele estava. Disse-me estar infeliz mas que teve que pensar nas filhas. Disse que o queria feliz e ele desejou-me Bom Natal e boa viagem ao Algarve. Quando desligámos, eu não estava sozinha, estava na casa de quem é hoje uma grande amiga, e desatei a chorar.
Eu, sei que o Zé é o amor da minha vida, platónico ou não, ele é lindo, quando o vejo fico "aos saltos", quem trabalha comigo sabe desta pancada. Por muitos homens que passem pela minha vida, o Zé, será sempre o Zé, e por ele, não pestanejava... O Zé, arrepia-me, mudou-me, o Zé ensinou-me a apenas gostar dele e ficar feliz por ele. Há tempos foi para Angola e eu pensei que fosse definitivamente mas um conhecimento, disse-me ser apenas alguns meses, mas até saber disso, eu não andava bem, queria saber se ele estava bem. Eu sou doida por ele, ele é alto, olhos claros, a dar para o magro e sabe falar. Ele nunca irá sair do meu coração e acreditem, nunca vi um homem tirar as cuecas, só com uma mão, a uma mulher como ele. Todos os dias passo em frente à casa dele, e sinto sempre um arrepio quando vejo apenas os carros, a roupa dele no estendal, tudo serve para eu sentir que estará comigo até morrer.
Dizem que ele não presta, mas ele é "o" Zé. Sempre.
EU, NÃO PAREÇO, EU SOU.

31 comentários:

  1. É real, sinto-o sempre... Não o procuro mas quando o vejo... Eu sei que ele é o amor da minha vida, mas está bem arrumado, posso amar outras pessoas, sem ele ser problema.
    Beijo

    ResponderEliminar
  2. É uma situação delicada.
    Mesmo que a consigas controlar.
    Espero que haja alguém que te faça sentir que O Zé é o amor que ficou ali, porque não dava mais, e esse novo é o que está no presente e futuro e te causa o mesmo sentimento, mas em tempo real. Alguém que esteja do teu lado!

    Beijoo

    ResponderEliminar
  3. Passo dias sem pensar nele, e quando entro numa relação e vejo-o, não sinto nada. Não quero magoar quem me ama. Se o Zé quisesse ficar comigo tinha agido, conforme a idade: 39, agora 42.

    ResponderEliminar
  4. Ha sempre um(a) Vizinho(a),especial,,um episodio de vida que deve ser sempre guardado com carinho,como tu sabes.

    beijos do Mago ;o)

    ResponderEliminar
  5. Que bela postagem para me estrear aqui no teu blog.
    Há pessoas assim, como o "teu" Zé, que entram em nós e nunca mais de lá saem...

    ResponderEliminar
  6. Oh pinguim, nem te sabia neste, vi-te apenas no blog dos textos... Este nunca mais sai, nem me esforço, a não ser que um dia me prejudique a vida... beijos e obrigada pela estreia!

    ResponderEliminar
  7. Maravilhosa a forma como a contas...
    beijos

    ResponderEliminar
  8. muito boa historia , infelizmente a maioria das pessoas esta com um parceiro para o "desenrasque" pois as grandes paixões escapão sempre , eu sou um dos que deixou escapar a grande paixão , hoje tenho uma filha e dei o nome da minha grande paixão

    ResponderEliminar
  9. Pinkkkkkk, que grande revelação. Gosto de te ver escrever sem "enigmas", sem palavras dubias. Eu já tive um Zé na minha vida, mas gastei-o lol. Graças a Deus! Mas gostei muito desta tua "abertura" :)

    ResponderEliminar
  10. Dass Pink... Isso quase parece a minha panca pelo Fujão... Contra tudo e contra todos, ele é o tal.
    ;) somos um pouco doidas

    ResponderEliminar
  11. Utena, é como a sinto... Beijoca

    ResponderEliminar
  12. mythic, é bom ver.te aqui, vejo que escolhes bem os posts que decides comentar. Achei linda a tua atitude de dares o nome à criança... Beijoca

    ResponderEliminar
  13. Venúsia, este fugiu mas eu não fui atrás...

    ResponderEliminar
  14. Mistery: sou uma gaja muito aberta :P

    ResponderEliminar
  15. Ai! Todas temos um "Zé" nas nossas vidas... Infeliz de quem não saiba o que é ter assim um "Zé" :))

    ResponderEliminar
  16. Mas o meu é o "má lindo"...

    ResponderEliminar
  17. Pink, tu ages como mulher eu sou apenas a melga... Como tal, continuo a dar CABEÇADAS na parede por causa de umas noites fantásticas com ele.

    ResponderEliminar
  18. venúsia: tenho um garnde respeito pelo amor que ele tem às filhas e sei que a esposa até é boa esposa e boa pessoa (muito embora, ele comigo estivesse muito melhor)...
    Fodas? Oh, eu só de ver o carro dele fico com o pito aos saltos...

    ResponderEliminar
  19. Venúsica, levanta-me essa auto estima...

    ResponderEliminar
  20. a vida é um 31...mas se não fosse assim era mesmo uma chatice...depois do que li, não é mesmo um zé qualquer!


    beijo

    ResponderEliminar
  21. Lost Soul, welcome, sim, não +e um qualquer, é o "meu"... :)

    ResponderEliminar
  22. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  23. Malditos dos "Zés" que atormentam a vida de qualquer mulher!
    E malditas de nós que só pensamos nos "Zés" e não nos contentamos com os "Albertos"...

    ResponderEliminar
  24. Teresa, ele não me atormenta, ele faz-me sorrir apenas por existir (mas eu sei que ele é um sacana, apesar de tudo)

    ResponderEliminar
  25. pink poison
    por mim comentava todos , mas tem dias que não me sinto inspirado mais vale não comentar que dizer parvoíces ...bom domingo

    ResponderEliminar
  26. Atormentar é uma maneira hiperbolizada de dizer que eles acabam sempre por aparecer nas nossas vidas... E que nós não lhes resistimos, mesmo sabendo que nos vamos meter "em maus lençóis"! (acho que nunca utilizei tão bem esta expressão! hehe).

    ResponderEliminar
  27. Olá
    É mt bonito!Há sempre um "Zé" nas nossas vidas, que se vai....
    O grande problema é que, inconscientemente,passamos a procurar algo e nem a sombra encontramos.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  28. Tb tenho uma zéza na minha vida. E 4 anos depois, ainda faz o meu coração bater mais depressa!

    **

    ResponderEliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.