quarta-feira, junho 22, 2011

Verdades

As pessoas boas e autênticas, quanto a mim, existem ainda em grande quantidade. O problema é quando, em igual quantidade, existem as falsas, as mentirosas... E depois, as "boas" passam por desconfiadas quando lhes aparece alguém "dos bons" pois, de tão magoadas e de tantas lições... Desconfiam, estão a pulguinha atrás da orelha...
Eu, há uns meses, afastei um tipo fantástico, que, mais tarde, vim a descobrir, era dos "bons" mas não lhe dei hipótese...
É uma pena que pelo justo, pague o filho da puta!




EU, NÃO PAREÇO, EU SOU.

13 comentários:

  1. E quando são as tuas supostas " melhores amigas"...???
    É das maiores dores!
    A vida é fodida mesma!
    Bjs doces na minha Pink

    PS: DEsculpa a minha ausências mas tu compreendes-me certo??

    ResponderEliminar
  2. Para mim, todas as pessoas eram "boas" até que se provasse o contrário. Agora já não. Não renego, mas também não confio em ninguém só porque sim. Agora é preciso conquistar a confiança antes de poder confiar. É o que dá passar por algumas situações... :)

    ResponderEliminar
  3. Compreendo-te, tornamo-nos todos desconfiados, mas o que tu querias dizer é que "pelo filho da puta pague o justo", certo?

    ResponderEliminar
  4. pois...gato escaldado de água fria tem medo!!!

    -___-

    beijo

    ResponderEliminar
  5. Paulinha, claro que compreendo e podes debitar os fodas que quiseres... :D

    ResponderEliminar
  6. Ana, mulher sofrida, um beijo para ti.

    ResponderEliminar
  7. Anónimo: chama-lhe o que quiseres, pois eu chamo filhos da puta aos anónimos.

    ResponderEliminar
  8. Lost Soul, gato mega escaldado

    ResponderEliminar
  9. lamentavelmente a filha da putice parece ter um eco maior do que o dos tipos e das tipas fantásticas.

    ResponderEliminar
  10. True.
    E perdem todos neste ciclo vicioso :x
    Eu também tenho problemas em confiar e não passa, só reduz conforme fores descobrindo mais dos bons :)

    Beijo!

    ResponderEliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.