quinta-feira, julho 29, 2010

Gelatina

Hoje vou ser gelatina e andar no meio da estrada.
Vou gritar ao vento que quero, que sinto e que mude a sua direcção.
Quas forças do universo mudem a sua direcção. Vou abrir os braços e não vou ouvir carros, vou ouvir-me, vou mostrar que quero andar ali e posso.
Vou dizer ao Sol para ser mais e mais quente, ao frio para nos congelar e apelar aos sentimentos das pessoas. Hoje vou ser eu, mais eu, mais olhares, mais fundo, matarei com um olhar e beijarei com outro.
NÃO SOU SUPERIOR, SUPERO-ME!

1 comentário:

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.