segunda-feira, agosto 01, 2016

Imprudência Amorosa


imagem minha sem direito e partilha

Dá só mais uma volta pelo meu corpo. Cheira-me mais uma vez e quem sabe não te encantas e desencantas o que te encantou até agora. Não percas o contacto com a minha pele. Porque o livro já se abriu, fechá-lo seria uma imprudência... amorosa!



O que quero, quando eu quero, aceitas?

5 comentários:

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.