quinta-feira, agosto 11, 2016

E por todas as desgraças no mundo



O que quero, quando eu quero, aceitas?

5 comentários:

  1. Sem dúvida uma grande desgraça

    A minha solidariedade...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estamos todos mas não esquecer os do continente...

      Eliminar
  2. Eu não rezo, mas estou, obviamente, completamente solidário.
    Lucas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. impossível ficar indiferente, no Sapo cruzei-me com uma rapariga da madeira, custou ler o desabafo dela...

      Eliminar
  3. Não só Madeira, mas aqui para o Norte também não está fácil, no distrito de Aveiro e Viana do Castelo estão também a passar por maus bocados :(

    ResponderEliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.