sábado, agosto 20, 2016

Dos cães


Uns dão-nos umas lambidelas cheias de carinho e aquele amor que só os nossos pets nos sabem dar, outros em 30 segundos matam crianças... A foto que aqui ponho é uma dessas raças. 
Instinto?
Educação?
Tenho algum receio do instinto ou da ordem dada pelo dono e ele com aquela dentuça no pescoço de uma magricela ou criança, provocas danos... Um casal amigo é criador de Rottweilers, adoro aqueles pêlos grandes, brilhantes, bem tratados, cabeças enormes que se aninham para festas... Mas só um tem essa permissão.

SOU ÚNICA, o mundo está cheio de cópias..

11 comentários:

  1. Boa tarde Pink Poison.
    Sou muito sincera. Piores são os que não ladram. :-) Tenho um certo pânico de cães, então destes, pior. Se eu for numa rua, e avistar um cão, se tiver opção mudo de rua, se não tiver volto para trás. Uma criança minha foi mordida por um cão, na cara. A partir daí, só os de casa. Actualmente nem tenho, e o que tinha era dos pequenos, rafeiros.

    Sei que o cão é um animal muito inteligente. Mas muitos podem mesmo ser armas mortais. Tenho muito medo sim, amiga!

    Beijos
    Excelente fim de semana

    Prazeres e Carinhos Sexuais

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como eu disse , não é só lambidelas e brincadeiras... Há o instinto...

      Eliminar
  2. Há o instinto, os donos irresponsáveis e uma série de incógnitas que devemos ter em conta no momento de escolhemos um cão de companhia, ou um cão de guarda.
    São animais e por isso com uma grande dose de imprevisibilidade. Cabe-nos a nós, ditos racionais, pesar bem as nossas atitudes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu que adoptei o meu com 10 anos? Mas não é de raça perigosa...

      Eliminar
  3. É certo que o comportamento de um cão tem muito da forma como é tratado e educado, mas também não se pode escamotear a realidade. Existem raças potencialmente mais perigosas que outras e dizer-se que não existem cães maus é uma mentira que eu não como. É preciso cuidado a lidar com um rotweiller, com um pitbull, com um fila açoreano e com raças desse género, muito embora não signifique que os exemplares tenham de ser necessariamente agressivos. Tal como as pessoas, não há dois cães iguais

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens razão, no "Não há dois cães iguais". Quando decidi adoptar um Perdigueiro, a veterinária que o castrou antes dele vir para casa avisou-me que ele me "ia matar os dois gatos logo que pudesse", pois a caça estava-lhe no sangue.
      Leva pantufadas dos gatos, é dócil para toda a gente... mas penso que ter perdido a visão de um olho e ter perdido o dono (porque o abandonou), o desorientou por completo...

      Eliminar
  4. Querida Pink,
    Sou uma "dog lover" assumida. Tenho dois cães que, apesar dos estragos, são parte da família. Um desses cães é um pit bull, o outro um labrador. Sou sincera, tenho mais receio do labrador magoar alguém (não só tem uns dentes que metem medo, como pesa mais de 50Kg e é muito bruto) do que da pit.
    Acredito piamente que a cadela é capaz de fazer muitos estragos. Mas sei que só o fará se for para se defender ou o seu território. Nestes casos podemos admitir a questão do instinto. De resto, sou defensora da teoria que o dono é que faz o cão. Bjs*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que já vi a tua Pit mas tinha estragado uma rede de descanso... Sim, tenho lido ataques de labradores ultimamente, curiosamente um cão que parece um doce. Já agora , como convivem com a tua bebé?

      Eliminar
    2. Muito bem!
      A Mila quer é cheirá-la constantemente e fica toda contente quando levamos a Mafalda até ela - não ficam muito próximas, até porque a miúda não tem muitas defesas.
      O Elvis ficou tão entusiasmado que até foi buscar a bola para brincar com ela :)

      Eliminar
    3. Os Pits têm fama de grandes babysitters :)

      Eliminar
  5. Eu acho que não depende das raças... todos os animais podem ser bons ou maus dependendo da "educaçao" da maneira como são tratados etc... Tal como ha pessoas boas e más...

    ResponderEliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.