segunda-feira, agosto 22, 2016

Aqui e agora!

Não quero saber onde que o meu desejo não se cala nem se esgota.
Usufrui de todos os meus poros, faz de um espaço com cheiro a mofo, o mais ousado quarto onde se manifestam odores, sorrisos, gemidos, contrações e beliscões.
Agora, agora mesmo, somos apenas dois num mundo que se evaporou para deixar espaço para as nossas devassas palavras, fortes desejos e sempre despojados de pudores.
Sei amar-te e desejar-te e  serei sempre tua em todas as ocasiões mas entretanto começa a satisfazer-me.
Se alguém nos surpreender, sorrimos , marotos mas acabamos o que estamos a fazer que podia não ter fim...



SOU ÚNICA, o mundo está cheio de cópias..

18 comentários:

  1. É só para dizer que este teu texto está estupidamente bem escrito!

    Amei!!!

    Um beijo e fica bem

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ô gajo intrometido....vá se coçar com teus peixes ó pá...
      E desandas a bulir com o alheio!!!
      E nada de mandar beijos a mulheres alheias ó pá....!!!

      Eliminar
    2. PDR, deixa-me apenas com Nuninho, esse é raro de encontrar...

      Eliminar
  2. Troca lá o espaço com cheiro a mofo por outro mais cheiroso :P

    ResponderEliminar
  3. Muito bom texto e imagem sedutora e delirante

    Beijo

    ResponderEliminar
  4. Pink.... teu texto tem a intensidade impressionantemente tua!
    Texto forte, intenso, que guarda a urgência dos amores prementes...
    Sensacional, quando você envereda pelos caminhos da luxúria e do sexo...
    FANTÁSTICO TEXTO!! AMEI!!

    ResponderEliminar
  5. Amo a urgência do texto que foi com a imagem.

    paz e amor
    1ManView

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O texto saiu-me sim com urgência, só assim sei que podia viver aquele momento. Beijinho

      Eliminar
  6. Lindo, um amar completo e intenso!
    Estava com saudade daqui, nos últimos dias andei ocupada e viajando à trabalho!
    Bjos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também passei pelos teus agora, sublime como sempre amiga!

      Eliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.