terça-feira, agosto 09, 2016

Agnóstica me confesso

O que quero, quando eu quero, aceitas?

9 comentários:

  1. Respostas
    1. Exacto, muita morte pela garrafa!

      Eliminar
  2. E cada um "toma" a que quer! Lool. Mas no conteúdo é que está a sabedoria.

    Bjocas

    Prazeres e Carinhos Sexuais

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E cada um respeita o que o outro defende, só isso, era tão simples e complicou-se tudo!

      Eliminar
  3. Vou tentar explicar o meu ponto de vista, que será estúpido por natureza inata.
    O problema na garrafa da religião, é que foi partida pelo homem comum, que por sua vez viu meia dúzia de iluminados agarrarem os pedaços de vidros alegando terem a parte certa da mesma.
    O que acontece é que o comum mortal é colocado na ameaça de ser cortado por uma qualquer religião, que na verdade apenas tinham um pedaço de vidro que serviu de arma.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito sábia a tua resposta... Gostei soulmate

      Eliminar
  4. Estamos de acordo Pink. De facto é tudo ácerca do poder e da manipulação da humanidade para obtenção de previlégios inconfessáveis...e em nome não sei de quê, a matança continua.
    Lucas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas depois não querem sangue em situações de vida ou morte, outros não comem porco ou bebem alccol mas matam-se com bombas à cintura, outros pensam que vão viver juntos na próxima vida...

      Eliminar
  5. Nunca pensei nessa questão por esse ângulo.... esgotou o assunto...!!
    Cristo quando veio à Terra, não criou nenhuma denominação de religião!!!

    ResponderEliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.