sexta-feira, julho 21, 2017

La ventana

Sentada perto da janela, olho para s estrelas. Para a imagem ser perfeita , deveria ter um cigarro na mão mas eu não fumo. Imperfeita naquela noite fui conversar com as estrelas enquanto tu, farto de trabalhar me ias dando notícias...
Naquela casa não existia televisão, ia à net e nem por isso. Apenas velas.
O primeiro a chegar a casa, enchia a casa de banho de velas, para o outro tomar um belo banho. Havia tanta coisa em ti que não entendia mas amava como tudo!  
As nossas rotinas habituaram-se uma à outra. As nossas peles, os nossos movimentos, os nossos olhares... contigo tudo tinha solução e para ti, eu era a tua solução.
Foste muito amado. Antes e depois da janela.





Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.