sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Sabre corta coração

Uma menina está no seu palco, panos que a cobrem e a astúcia de mexer num sabre. Pensa ter tudo, não respira, está atenta, está cortante e, com voltas melodiosas, vai cortando tudo o que lhe surge. Uma corda com um coração suspenso. Cortado ao meio com a velocidade de quem sabe ser o que quer. A menina cai, chora, grita e perde os sentidos. Está pronta para que um sabre lhe dê paz.

Não sou superior, supero-me.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo (se fores uma besta quadrada, nem vale o esforço de escreveres).