sexta-feira, setembro 09, 2011

Alma e coração

Abre-se a porta imaginária do coração. O que seria do ser humano sem o coração? que nos permite viver, sentir, amar...
Um coração sem alma de nada nos serve, que sejamos então pessoas de alma: ensinaram-me que a cor da da alma é o laranja. Começa- se por sentir um som de fundo, como se de um túnel viesse, até que te encontro. Não adianta sermos a luz de alguém sem alguém ser a nossa luz. De que adianta arrepiar sem arrepiarmos?
E foi num desses túneis que a minha retina dilatou, que o meu coraçõu buscou a sua alma e ali estavas. Amar com orgulho.
Com dedicação.
Sem limites, sem restrições, sem impedimentos como uma melodia que insiste em enchar-me os ouvidos e que eu não consigo parar.
O amor é uma segurança secreta, onde nos refugiamos e brincamos com os outros por não terem noção da nossa felicidade.
Se isto é certo? Quero que sim. Se não, devia ser. Pode ser errado, pode ser contra as marés, contra o sentido único, contra o sentido em que se escava um buraco...
Nunca durar.
Durar para sempre.
Um beijo.
Carne contra carne.



Não sou superior, supero-me.

5 comentários:

  1. um olhar chega ao coração e ele nos diz se acalenta.
    se sim... preenche a alma, faz acontecer, e aí nada importa. nem o tempo que dura.
    amar não é um refúgio, nem traz segurança.
    amar é "mar alto" e é nessas vagas enormes que por vezes temos a o prazer de nos surpreender numa mar chão de tranquilidade, bem estar e prazer.

    beijo e kandandos meus... inté

    ResponderEliminar
  2. Cientificamente falando o coração é um músculo que bombeia sangue para todo o corpo e a alma é uma questão de metafísica. Já o amor não pode ser cientificamente explicado, mas acredita-se ser uma espécie de estado que é capaz de levar pessoas, por mais normais que sejam, a cometer autênticas loucuras incompreensíveis e impensáveis. Talvez o amor dê para ser expresso através duma fórmula para posteriormente ser estudada. Se houver alguma solução para ele, eu bem que gostaria de a conhecer, estudá-la, para mais tarde, um dia quiçá, pô-la em prática... e, para variar, poder tudo correr bem até ao fim.

    PS. Nietzche? Aquele que disse que Deus estava morto? Ele enlouqueceu antes da sua (triste) morte...

    ResponderEliminar
  3. Lindo texto! :)
    É então possível que o amor seja tudo isso?

    ResponderEliminar
  4. Gosto muito deste teu aldo poético, romântico... LINDA!!!

    ResponderEliminar
  5. Amar com orgulho e dedicação, é a minha bandeira, dar tudo sem esperar nada....o que tiver que ser será, não havera diferenças nem partidas:))

    ResponderEliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.