segunda-feira, novembro 02, 2015

Amarmos e sermos

 Começa a melodia, porque há tanta gente a olhar para a lua?
Dançam com a mente, com os mortos, com invisíveis, dançam sozinhos. A única forma de protesto é essa. O ondular de corpos ao som da melodia da alma, porque todos estamos em estados diferentes de evolução, porque se todos amássemos da mesma forma, seríamos apenas seres. E não somos, somos pessoas que se mostram, que sentem, que choram, pessoas que se mutilam, que se tentam suicidar, pessoas que compram rosas e temos que nos aceitar. Correr por um campo fora, sem saber se cai num abismo ou não, se fosse possível destruir o mau que há na sociedade, será que alguém o faria...
Mutilam-se todos os dias sem saber...

Não sou superior, supero-me.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.