segunda-feira, outubro 23, 2017

O ínicio da Internet

Um antigo professor e militar disse, em aula, (isto em 2003) que a Internet começou por existir no exército, era um modo simples de comunicação.

Andei enganada, quem fundou a Internet e a implantou em Portugal, foi o Paulo Bastos da TVI , aquele que odeia Portugal mas faz reportagens a mostrar o que Portugal tem de melhor. Até elogiou Faro. FARO?! Até uma gaja como eu , que já lá viveu, sabe que é uma das cidades mais feias do Algarve.
Quem é quem, as meninas? oh pá, os meus filtros do gmail para mails fantasma são do melhor...  
Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

9 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Irei enviar o teu comentário à família Costa Leite e eles irão enviar-te resposta. Não é para te irritar mas aqui quem me dá vontade de rir és tu. É o último comentário teu que aprovo ou leio. Aliás, bloquear um utilizador, impede-o de comentar o blog. Vais ser bloqueada, já que te dás ao trabalho de me seguir. Olha, manda mais 100

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sou burra?! Pronto, porque comentas o blog de uma gaja burra? Deixa estar aqui a burra sossegada, eu não te comento, não te leio, e os teus mails, são todos encaminhados para a lixeira, lixo, nem spam, LIXo! Obrigada por em teres dado a perceber que querias paz armada mas eu não quero saber nada de ninguém, vai tudo para o lixo. Quanto ao meu amigo hacker: não mexe em lixo!

      Eliminar
    2. InforMMação... é do cancro, já nem sobrancelhas tem!

      Eliminar
  4. As coisas que tu sabes Hehehehehe

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. pelos vistos sou burra mas não me largam, a treta dos costume...
      Beijos amigo

      Eliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como não sei quem és, não será a ti que responderão.

      Eliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.