sexta-feira, setembro 23, 2016

Não existe desculpa para o amor e o abuso
dele, porque podemos ainda abusar dos nossos sentimentos, sejam eles ódio, rancor, amor, amizade, um sorriso, um estado de esgotamento... Coisas nossas, tão nossas que aos meus olhos, só os olhos dos animais percebem... Que as minhas pernas permitam correr debaixo de chuva Que o mundo desabe mas eu te saiba proteger Que o meu palco caia mas fique no topo a admirar deuses que são perfeitos que mudaram a nossa História, que o meu coração páre. Sim, páre, enquanto eu conduzo, no meio de uma cidade caótica a 100 à hora e contorne todos os obstáculos, que os meus olhos se fechem quando quem me fez mal e a quem eu amo e a quem gosto mesmo que virtualmente, tenha sido regado com gasolina e atado a uma cadeira com fósforos por perto... SOU ÚNICA, o mundo está cheio de cópias..

1 comentário:

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.