quarta-feira, 16 de maio de 2018

Apenas ouço um saxofone que me transporta par aonde eu quiser. Analiso minuciosamente, o dia. O que dei a mais, o dei de menos, o deveria ter exigido mais de mim e aquilo que deveria ter negado. Se os deuses do Olimpo,  supostamente perfeitos e um dos berços da nossa civilização, entravam em violentas disputas, não poderei eu repensar o que fiz?
posso.
Mas não devo.
É viver um dia em dois. Está feito, está falhado.
Siga.

Foto de Apenas sinceridades.

O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo (se fores uma besta quadrada, nem vale o esforço de escreveres).