quinta-feira, outubro 27, 2016

Um compasso de anos

Durante um compasso enorme vivemos de tudo.
Eram horários que não se combinavam, trocas de carros, de segredos, estudámos juntos naquele apartamento em Vilamoura.
Durante esses largos anos, existia uma bolha que até hoje só nós percebemos. Levamos anos a perceber as mais pequenas necessidades de alguém e um minuto a mandar tudo ao ar.
Uma questão ficou sempre no ar?
Porque não?
Porque haveria de ser errado se todos já o tomavam como certo?
De vez em quando sonho com isso e com o "ovo".



Sou a Pink Poison e sou única, cópias, existem imensas...

3 comentários:

  1. ficam sempre questões no ar. sempre!

    ResponderEliminar
  2. E nós a perder tempo com guerrinhas...
    Da tua sempre amiga. Filipa Brás

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deves ter feito um grande esforço para te fazeres passar por essa idiota e escreveres com "s".

      Eliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.