domingo, fevereiro 26, 2017

Nós

Nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós , nós, nós, 
nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós , nós, nós,
nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós , nós, nós,
Nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós , nós, nós,  
Nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós , nós, nós, 
nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós , nós, nós,
nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós , nós, nós,
nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós , nós, nós,
nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós , nós, nós, 
nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós , nós, nós,
nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós , nós, nós,
Nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós , nós, nós,  
Nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós , nós, nós, 
nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós , nós, nós,
nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós , nós, nós,
nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós, nós , nós, nós,




Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.