terça-feira, novembro 15, 2011

Lembra-te de não te esqueceres

Não eu não me esqueço de me lembrar. Lembrar de quem me fez mal na escola primária, nomes, pormenores. Não existem coisas feias e bonitas. Existem apenas coisas, nunca temos a intenção de amar demais ou menos do quem nos ama, nunca queremos bater com o  carro e batemos num dia trivial. Construímos castelos na nossa mente que nos fazem, sentir seguros, calmos e serenos.
Onde podemos interiorizar,
Onde podemos respirar o nosso fôlego
Onde podemos amar
Voar para outros mundos
Ser outra pessoa
Falar com quem admiramos
Porque amar, sentir e viver são os verbos que o ser humano usa, vive, mostra.
Mostra de um topo de um prédio, debaixo de uma chuva, com um abraço forte a quem precisa.
Mostra-te quando choras, quando amas, quando chega o orgasmo, transpira, grita, bate, esmurra e deixa-te ir com a tua consciência, com aquilo que queres mostrar.
Na próxima esquina, encontras um novo amor, na próxima nuvem, encontras o formato que procuravas, no próximo castelo encontras a imponência que te faz respeitar, na próxima rotunda, dás a volta que precisas.
Conhece a dor, conhece o alívio, conhece-te, conhece os outros, avalia-os como quiseres mas gosta deles, gosta de ti, mesmo que todos odeiem quem tu gostas, és TU quem gosta, a ti, se te odiarem, GOSTA- TE.


Não sou superior, supero-me.

2 comentários:

  1. Quer gostem ou não gostem, gostemos de gostar!... :p

    ResponderEliminar
  2. As várias faces do Conhecer, aqui retratadas de uma forma muito pessoal. E tu, já conheces muito.

    Gostei! :)

    ResponderEliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.