sábado, setembro 18, 2010

Isto é real, emoções a mais!

Um mês de namoro.
Ela sente-o a afastar. Luta contra isso, questiona, fica com raiva. Ele confessa ter um cancro e ter dois anos de vida. Imediatamente depois de dizer que a ama.  O que diz ela:
"Ficarei a teu lado, nem que seja para ser a última pessoa que respira ao teu lado, a última pessoa que tu vês, a última a mudar-te uma fralda, a última a beijar-te e a sorrir para ti"...
Um mês de namoro e ela não fraquejou, ele chorou, chorou muito e disse-lhe que temia por ela. Cada passo dado por ele, era uma hora de sono que ela perdia.
Fortaleza? Não, saber amar.
NÃO SOU SUPERIOR, SUPERO-ME!

9 comentários:

  1. Amar não é só estar com a outra pessoa nos bons momentos. Isso é fácil. Amar não é só receber, não é - mas também - apenas um sentimento egoísta. Amar também é dar, é partilhar as lágrimas da outra pessoa para que ela sofra menos. Sorte de quem encontra um amor assim.

    ResponderEliminar
  2. Tens razão e um louvor a quem consegue dar assim...

    ResponderEliminar
  3. ººº
    Havia tanto a dizer sobre o amor... pena que é um sentimento ciclico (vai e vem)

    ResponderEliminar
  4. Então o que tens a dizer sobre este amor, que expus no post?

    ResponderEliminar
  5. ººº
    Não sei se este caso tem alguma relação contigo.

    Na minha opinião, se amas demais, penso que não deves abandonar, e o amor é isso mesmo... é dar e receber... por muito que saibas que ele tem pouco tempo de vida.

    PS - Obviamente, que esta história serve p'ra toda a gente.

    ResponderEliminar
  6. Não tem, directamente, que ver comigo mas era bem capaz de o fazer... Amar demais? Ama-se demais? Não concordo.

    ResponderEliminar
  7. ººº
    Ama-se demais ou ama-se de menos... é uma forma de expressão, como aquela maxima, o que é maior? Um buraco ou meio buraco?

    ResponderEliminar
  8. há alturas em que amar é saber quando se dever deixar ir. não estou a dizer que seja o caso. mas entre esse mês e a morte, estiveste sempre com ele?

    ResponderEliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.