domingo, agosto 23, 2015

Brinco Contigo

Não permito a publicação desta imagem que é minha, em sites, blogs e restantes redes sociais, bem como em perfis
Sugam-nos as energias mas resta-nos sempre um pouco... para ti. Ponho e lado os meus ideais, baixo as minhas bandeiras por um pouco e respiro o ar que tu respiras.
Estás desconfiado? Talvez tenhas razões para isso mas estás em boas mãos. Sê quem tu quiseres mas sê honesto e flutua no meu olhar, percorre o meu cheiro como se te chamasse a abrir essa boca quente e a falares.
Bebes algo. Fresco. Doce. Caminha-se devagar naquele espaço de sofás brancos, casa grande com decoração minimalista, canto baixinho, enquanto te sirvo...
O azul do dia já se foi, dizem que a noite é a nossa melhor aliada. Solta-te , não mexas nas minhas feridas ou serás castigados, olha-me nos olhos, fala-me com o olhar, respira com calma, comigo estás seguro.
Beijo-te, querias, tanto como eu, tanto como eu queria que encostasses à parede e as tuas mãos me percorressem, tanto como as estrelas testemunharam da janela...
força
suor
saliva
sabores
lábios
danças
almas unidas

No fim, o abraço de sempre


Não sou superior, supero-me.

2 comentários:

  1. No fim, um porto de abrigo.

    ResponderEliminar
  2. Luis carlos23/9/15 23:58

    Peço que desculpe o meu comentário no seu ultimo texto, reconheço que foi forte demais, mas foi num momento de puro tesão, saiu-me naturalmente. Queria dizer-lhe isto em off, mas não tem email no blogue, não tive outra forma de o fazer.

    Beijo

    ResponderEliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.