quinta-feira, outubro 11, 2012

Da tua arma

Entre contradições, do que a Lua me diz e o Sol contradiz, eis que me fico.
Fico entre um olhar, um sorriso e uma brisa na cara... Porque a crise, é uma crise de sorrisos, de afectos, de pessoas sisudas... As coisas que não têm preço, como ter tesão por alguém, rasgar-lhe a carne com amor, lamber o seu suor salgado, sorrir, inventar, fazer directas a meio da semana, e depois...
Um abraço no fim. No fim do começo. Do começo de uma aventura sem volta, porque se tornou bifásico, porque se decidiu um pedestal que não existe... Porque se não sabe ser diferente... Basta ser o "ser" e será único, sem frases feitas de Bob Marley ou outro... Pessoalmente, gosto da minha, "Não superior, supero-me" e fui eu quem a vomitou e debitou aqui 

Não sou superior, supero-me.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.