quarta-feira, março 08, 2017

Amar, esperar e voltar a amar

Quando tu chegas, a rotina muda. Os animais despertam, sorrisos e caras de espanto aparecem do fundo daquele escritório. Ninguém descansa enquanto não pousas as coisas e vens até aqui. Depois a nossa rotina, rir faz parte dela, contar os pormenores do dia, as decisões (se as houve), os telefonemas, é bom esta sensação de nada te esconder e assim parece desinteressante aos olhos de muitos mas o que interessa isso? Outros, são isso mesmo, os outros.
Para mim, sinto-me abençoada por isto. O único medo que me tem torturado é a suposta proximidade da morte do meu cão e a coisa que mais garra me dá, bem, tu sabes e mais algumas pessoas também sabem.
Viva eu, tu e quem nos apoia, o resto: que seja feliz também mas longe de nós.



Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.