quarta-feira, novembro 23, 2016

Por tua existência



Corpos presentes, mentes ausentes só o sentido impera, só o toque do teu corpo vale naquela altura. E agora?
Bonito? Nem por isso. Mas com um corpo que eu adoro como adoro o toque, o cheiro e a sensação de te ter invadem cada poro meu e assim me deixo ficar serena e plena por tua existência sentir.





Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.