segunda-feira, maio 02, 2016

Olha o Pinko NOVA FOTO

Dizem, as parvas, que não existes.
Dizem que és imaginário. Às vezes realmente pergunto-me se existe na minha vida uma pessoa assim. Que existia no meu imaginário e já lá vão uns anos. Não sinto borboletas, sinto amor, confiança. Temos ultrapassado todos os momentos menos bons e agradeço o espaço que me dás. As gargalhadas que partilhamos e quando evitas contar algo para "não complicar".
Obrigada amor, amigo, amante...
Sou o que quiseres... quando eu quiser.
Calções largos com justos por baixo são uma treta, os justo são para um suposto conforto mas sobem à medida que se corre.





Temos pena!
Tirada com uma boa máquina e não com telemóvel

10 comentários:

  1. Arrepiei-me ...

    Que bonita homenagem publica a quem se ama, se traz connosco no coração. Lindo demais.Existem homens de sorte por terem na sua vida pessoas abençoadas como ... tu.

    Beijo em Tuuuuuuu

    ResponderEliminar
  2. Obrigada, todos merecemos ter amor na vida... Tu também o terás com certeza, és /pareces ser um homem bestial!!! Outro beijo em tu!

    ResponderEliminar
  3. Assim de repente pensei ser um JSD a fugir da maioria de esquerda.
    he,he,he

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou a fugir da vergonha de eu me ter espalhado na meta minutos antes ihihih

      Eliminar
  4. De toda sorte, pensem o que quiserem.... esse gajo é um homem de sorte por ter conquistado você e teu coração...
    Preciso pegar com ele a receita......

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Racionalidade, não ter ciúmes e amar-me.

      Eliminar
  5. Até parece fácil, nós é que temos a mania de complicar... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aqui não há muito a complicar... Beijo

      Eliminar
  6. Bocas foleiras, n ligues... Só tu tens de saber que ele existe e que te faz feliz, de resto é INVEJAAAAAAA.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até dizem que mete os joelhos para dentro, o homem vinha a correr e já tinha feito 22 km! Haja noção...

      Eliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.