terça-feira, 17 de julho de 2018

Da interpretação dos outros

Os outros, não se lembram que existem pessoas atentas.
Pessoas que, não sendo piores ou melhores, apenas ligam mais a um pormenor ou outro. Portanto quando os outros nos julgam, analisam, acusam-nos de coisas que não fazemos, é porque eles acham que alguém é capaz, quem? Eles.
Quantos são aqueles que abrem o seu blog e procuram um gif, fazem um texto, põem uma citação, uma música, ou nem isso?
E quantos são aqueles que, abrem os blogues de quem não gostam, analisam tudo e escolhem de quem vão falar mal? E julgam, batem no ceguinho. ..
Porque existe tanta coisa boa de se dizer mas o mal é o melhor caminho, então não é mais fácil chamar filho da puta a alguém do que perceber o que o fez agir assim ou simplesmente voltar as costas, irmos aos blogs que gostamos e de quem gostamos. entre férias e tarefas de merda (dar instruções à governanta, andar a dar todas as dicas de onde moro por causa de um gato desaparecido ...) , há malta que , entre trabalhos a sério, gosta de ir aos blogs que lhe parecem interessantes.

A sério? Mas a sério que usaram a desculpa comigo "eu nem vejo o teu blog, deram-me o link, uma pessoa que já me disse adeus 67553 vezes (não, não estou a falar do Jorge)", és uma puta mas estou cá caidinho todos os dias mesmo sabendo que tu sabes quem eu sou , se podes escrever um texto, é porque podes, senão foste tu, merda de gaja, nem a merda de um texto consegues escrever"...

Ah, aquilo no tumblr é calmo...



O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

Pois é querido, e por falares em amigos que não conheces

Burro



O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

Eterno Pessoa (Pedro Lamares)

O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

segunda-feira, 16 de julho de 2018

A Tourada vista por um veterinária que acompanha "os maus"


O touro vive uns 4 anos na campina habituado à companhia de outros da mesma espécie em espaço largo e com razoáveis condições. Terá já passado por momentos violentos de ferra, de tentas É escolhido para a lide numa tourada. Com ou sem sedação, apartam-no violentamente, com muito uso do bastão eléctrico, para uma manga e enfiam-no numa caixa apertada onde mal se pode mexer. A ansiedade provocada pelo aperto cresce em tremenda claustrofobia ao passar da liberdade e tranquilidade da campina para o "caixote" onde fica confinado, violentamente afastado da companhia importante dos outros bovinos a que o ligam laços emotivos. A seguir cresce o pânico do transporte. Depois a espera, com pouco ou nenhum alimento e bebida. Talvez sendo injectado, a ponta dos cornos será cortada, provavelmente, até ao extremo vivo e muito enervado, ficando extrema e dolorosamente sensível ao contacto. Para não sangrar, cauteriza-se a sangue frio. (Há touros que não resistem a esta operação e morrem de acidente cardiovascular provocado pelo sofrimento). Sofre outras acções destinadas a fatigá-lo, debilitá-lo, retirar-lhe capacidade para a lide. Mais tarde, a condução ao curro escuro da praça de touros. É empurrado a seguir para a arena (beco sem saída) suportando logo o enorme alarido da multidão e da música ruidosa (para se sobrepor ao seus berros), o que ainda mais o assusta, a visão ficando ofuscada pela luz do sol. Depois a provocação, o engano, o cravar das bandarilhas/arpões, que o ferem e magoam terrivelmente, através da pele, e não só, pois frequentemente também aponevroses, alguns músculos, tendões, vértebras, espáduas e, por vezes, até pleura e pulmão são atingidos, quando erroneamente cravado entre costelas. Tudo isto o faz sangrar e sofrer, o enfurece, magoa, deprime e esgota. Cavaleiros ou bandarilheiros massacram-no. Depois, exausto, fisica e psicologicamente, segue-se a (ou as pegas) pelos forcados, A seguir é retirado com as “chocas”. É amarrado e imobilizado por cordas em volta dos cornos. Brutalmente, tal como foram cravados, os ferros são agora retirados sem anestesia, arrancados ou por corte do couro.
No final de tudo isto, o animal é metido no transporte, esgotado, ferido e febril, em acidose metabólica horrível que o maldispõe e intoxica, até que a morte, habitualmente só alguns dias mais tarde, o liberte de tanto sofrimento. Frequentemente fica, até esse momento, encerrado em veículos de transporte num espaço exíguo, sabe-se lá com ou sem alimento e água e submetido a elevadas temperaturas.
E ninguém, independente, pode controlar isso.

PERCURSO DO CAVALO EXPLORADO NO TOUREIO!
O cavalo sofre esgotamento e terrível tensão psicológica ao ser usado como veículo, sendo dominado, incitado e lançado pelo cavaleiro e obrigado a enfrentar o touro, quando a sua atitude natural seria a de fuga e de pôr-se a uma distância segura.
À força de treino, de esporas que o magoam e ferem, de ferros na boca e da barbela - corrente de metal à volta da mandíbula, que o magoam e o subjugam, o cavalo arrisca morte por síncope/paragem cardíaca, ferimentos mais ou menos graves e, até, a morte na arena por ser atingido pelo touro.

OPINIÃO!
É difícil, senão impossível, acreditar que toureiros e cavaleiros tauromáquicos amem touros e cavalos, quando os submetem a violência, risco, sofrimento.
O mesmo se aplica aos aficionados, que aceitam isso
Questiono-me. porque se continua a permitir uma actividade que assenta na violência e no sofrimento público de animais, legalizado e autorizado por lei e até apreciado, aplaudido e glorificado por alguns?
Numa verdadeira democracia não deveria ser permitida nem legalizada a tortura de animais.

PERGUNTA FUNDAMENTAL!
E senhoras e senhores Deputados da Assembleia da República de Portugal o que acham e como vão votar? Pela abolição ou pela manutenção desta terrível violência contra seres sencientes (como os humanos) e indefesos e inocentes.
CONCLUSÃO:
Seres humanos (tauromáquicos) não devem provocar a outros seres de sensibilidade semelhante (touros e cavalos), sofrimentos a que os próprios agressores (tauromáquicos) não aceitariam ser submetidos.
Porque é a desgraçada vítima dos chamados humanos, “corrido” e torturado?
Para diversão de aficionados, para o alimentar de egos e vaidades, para negociatas de tauromáquicos e no prosseguimento de uma cruel e obsoleta tradição.
É mais do que justo e chegado o tempo da abolição, o que só peca por tardar!!!
As importantes verbas que são atribuídas no apoio à tauromaquia e as isenções que lhe são oferecidas, seriam com justiça e utilidade, preferencialmente, utilizadas para mitigar imensas necessidades!
A tauromaquia é uma vergonha nacional.

Vasco Reis,
Médico veterinário aposentado
Aljezur
 

O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

Tom cruise vazou , Bon Jovi encheu

O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

sexta-feira, 13 de julho de 2018

Pois é... burros!


 "O que o moralista mais odeia nos pecados dos outros é a suspeita acusação de covardia por não ter coragem de os cometer." Vergílio Ferreira
O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

Aula de português

VERBO IMITAR
eu imito
tu imitas
ele imita
nós imitamos
vós imitais
eles imitam

Quando queremos criticar , convém, digo eu, saber usar o "h" (em especial quando nos estamos a gabar de irmos à feira do livro lançar um novo livro escrito por nós ) e quando se fala em perfis IMITADOS, também dava um toque de classe saber que não se emite.





O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

Bom dia :)


O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Pedro Paixão



Ali, fardada de igual a todas as outras, nem havia olhos que pudessem adivinhar a sua beleza. A beleza não me interessa... A beleza tende a tornar-se numa perigosa armadilha e a ilusão paga-se com desespero.
Para uma imagem, mesmo pouco nítida, é preciso mais: saber mais, imaginar mais, acreditar mais …precipitadamente acontecem coisas que a todo momento nos alteram, modificando o mundo, matando o eu anterior para que possa ressuscitar o mesmo eu posterior, só que ligeiramente diferentes, ou então muito diferente. Como me reconhecer a mim mesmo?
Saudades de mim. De quem nunca fui.
A música não chega para salvar uma alma inquieta. Pensava como a vida não era como devia, como as coisas não aconteciam como previsto, como o mundo persistia em feri-la. Os olhos fechados, assim como o corpo fechado, eram a maneira que tinha de se proteger da violência das coisas, de reencontrar dentro de si a beleza da frágil flor azul. Sentia-se apaixonado como pela primeira vez. Diante da face dela o mundo inteiro parecia-lhe supérfluo. Não conseguia deixar de a olhar, e quando não estava na sua presença de a imaginar na sua presença.



O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

Usei e adorei




O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

Mais alguém gosta tanto como eu (nadinha)...

... de ler 'ssoa ao invés de pessoa?



O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

Hi

O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

quarta-feira, 11 de julho de 2018

terça-feira, 10 de julho de 2018

ATENÇÃO A TODOS OS BLOGS

Anda uma pessoa a usar o meu nick para comentar.

Este link de perfil vai dar a um perfil fechado, o meu vai dar ao Google plus e tem a foto que conhecem




O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.