Absorve-me mas em várias fracções

segunda-feira, 30 de abril de 2018

Nós, no comando.



Devaneias quando não sentes o meu cheiro, é o dilúvio se eu não apareço... Não. Nada disso.
És a calma e precisão que uma impulsiva como eu necessita, és previsível. Mas não no sexo. Afinal quem manda sou eu, tu apenas és pontual e pouco falas. Depois de mais de uma década sei que a tua natureza é essa. Sentes-te atormentado, excitado, delirante e aí estás, ainda de fato e gravata...
tentas falar, tapo a tua boca com a minha, e não saímos do hall, é mesmo ali que os teus pobres 45 minutos se enriquecem de pecado, fora da vista de quem não devia ver, não será o nosso último encontro, somos íman, somo dupla, somos cúmplices, somos amigos, somos sexo, cheiramos a sexo, fazemo-lo bem um par ao outro. Esperava mil anos para encontrar outra alma gémea no sexo como quando fomos apresentados.
Tormenta ou delírio? qualquer uma das duas é prazeirosa pois sei os teus lábios estarão nos meus quando voltares a correr para mim, por pouco tempo mas voltas e nada, nem no céu ou inferno, nos faz gritar:  não!
Decidimos inconscientemente que as nossas almas, são os nossos corpos, sem tempo, sem idade, apenas com destinos. Os meus olhos destinam-se a olhar dentro desses teus verdes olhos que se fecham de quando em vez, quando sentes o meu calor. O teu calor é o meu, a tua tesão é a minha...
Não tenhamos medo de nos tocar, afinal, a próxima vez está sempre garantida. Eles não nos forçarão a parar, não nos controlarão.
O nosso sexo é a nossa superioridade


O poder da Natureza é infinito, eu sou natural.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Enriquece a minha pessoa com o teu comentário. Se vens criticar: não mudas em nada a minha postura... bem talvez me ria um pouco. Quem vem por bem, que escreva e se sinta em casa... Pink