sexta-feira, setembro 29, 2017

O submundo

É o melhor para estarmos.
Tipo Deep Dark Weeb onde encontram as coisas que os outros fazem mas sem carneirada e abracinhos...
O bode, é para os que se prendem a saias porque se habituaram a muletas, são aqueles tipos de ginásio enormes por cima e pernas finas. 
Um dia acabam tipo Smart for two: de cadeira de rodas mas cheios de pressa.



Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

Memórias

O que eu fui encontrar num disco externo...





Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

E agora?

Esfrega banha de porco nas beiças já que não sabes o que é um Lidl!(tu e as mini filiputas)

Ora aqui está!

Lidl em alta!

Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

Sexta one in million ( A sexta)

Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

quinta-feira, setembro 28, 2017

Ena...

ACORDEI OS DEFUNTOS!!!
VIVA A BLOGA!
Vou ali perguntar a alguém  porque se julga tão esperto pata ter dois pesos e duas medidas.

Porque se admira que eu queiras mais da vida, sim quero mais, mais beijos, mais sexo, mais amor, mais viagens, mais anos com o meu pai, mais saúde, mais cultura, MAIS LUZ.




Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

ENCUNBIDA

ENCUNBIDA

É quando uma puta do caralho que devia ter levado um murro nas trombas e não levou não me larga o blog, quando ela tem beaty blog 

 

Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

Velhinha

Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

quarta-feira, setembro 27, 2017

Como ela fala bem de ... coiso, ela


É patética(😅 )a existência de uma espécie de indigentes cujo único objectivo na vida é alcançar um pedaço, mesmo irrisório, de atenção. Esmolam sem qualquer tipo de pudor e sem dignidade, desavergonhadamente, deploravelmente, arranjam formas ínvias de acreditar que são capazes de desviar um olhar alheio para os trapos encharcados que batem uns nos outros acossados pelo vento e que produzem o som das palavras que tentam juntar.
Insistem e são cansativos, aborrecidos, entediantes (assim como tu ? (💤), previsíveis e de uma inutilidade confrangedora.
Dir-se-ia que possuem um dispositivo no cérebro que é accionado demasiadas vezes sugando toda e qualquer capacidade de raciocínio. Absorve a massa encefálica como se de um buraco negro se tratasse. Fica o vácuo, o inexistente, o espaço oco onde a miserável súplica, o deplorável rogo, a coitada crença na possibilidade de se tornarem visíveis, bate contra as paredes ósseas do lugar onde se escapou a vida, como uma bolita de um ping-pong jogado por ninguém.
Quando se acredita que o Além é logo ali ao lado, acaba-se por indução a evocar fantasmas.  


PATÉTICO É TER UM BLOG PARA FALAR MAL DOS OUTROS, PUXAR OS NOSSOS CARNEIROS PARA OS COMENTÁRIOS CHEIOS DE CARINHO. SE AQUELAS QUE FALAS CONTRA TÊM AMIGOS, AH,JÁ SÃO UMA CORJA.




Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

Parabéns ao meu blog!

Nove anos de desabafos, de novos conhecimentos (uns horríveis, outros adoráveis) cruzei-me com o meu soulamte, conheci gente pessoalmente, entrou o Pinko na minha vida (leste bem A.F.?), continuo igual a mim, continuam a falar mal e bem de mim. Continua a ser recíproco.

Este blog é preferido, preterido, tem ondas de comentários e ficas dias sem um comentário. Não me incomodo. Digam que é mentira, que sou mil pessoas ao mesmo tempo, percam esse tempo.

Apenas escrevo, uso muitas vírgulas, quem não gosta, no canto superior direito está um quadrado com uma cruzinha, cliquem aí e eu desapareço.

Um beijo muito grande aos que me apoiam. 







 Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

domingo, setembro 24, 2017

Somos

 E assim te lembras de mim, de um traço feito em mim, no peito onde dormiste, onde aconchegado passaste horas a falar de ti e eu ouvi. Tu que conheces cada marca do meu corpo, cada expressão minha, sabes que com cada cheiro e sabor se criam com cumplicidades, com partilhas e desejos.
Sem os outros nada somos, com os outros somos tudo, somos demais.

Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

sábado, setembro 23, 2017

Rosnar

É o que fazem algumas donas de blogues quando escrevem nos seus cantos.
Escárnio, outras. 
Merda, ainda outras.
falar e não dizer nada, uma estirpe que por aí anda.

Tão bom dizer que a esta hora, tenho a vida virada do avesso, um PT novo, o meu Pinko a fazer uma prova de 50 km, e a darmos voltas aos assuntos.
Porra! 
Tão bom usar o cérebro!E a minha vida para escrever. Não a vida dos outros, não o blog dos outros e não o cérebro dos outros.






Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

...








Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

segunda-feira, setembro 18, 2017

Infinito mergulho

"Quando cheguei à Tailândia o ambiente era estranho... Nada era meu, apenas tu e o meu medo de te magoares. Tudo ali parecia infinito... Os cheiros, a tua concentração, a minha ansiedade pelo ringue e por voltar.
Abstraída do país lindíssimo onde estava, todas as conversas era à volta de esquivas, de golpes, de combates ilegais que eu teimava eu não querer que os fizesses apesar do dinheiro, podias sair de lá cadáver.
Mentalizei-me que o mundo da luta era tão válido como gostar de velocidade, de barcos, motas... Tudo envolve perigo"
meu e só meu 

Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

Boa semana com um bom som

Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

quarta-feira, setembro 13, 2017

Preciso



Ando a precisar de uma rave. Sozinha. Eu, água e o som. Saltar e esquecer o mundo, numa rave, tu nunca estás só. Calcinha preta, ténis, t-shirt e um bom soutien como os de desporto que uso nos treinos. Depois, fazer uma corrida ilegal na Vasco da Gama.


Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

terça-feira, setembro 12, 2017

Bizarria

Como se sente um anjo dentro de uma capela de ossos numa cidade feia , sem vida da qual nada sabe (comparado comigo, que lá vivi)?
Ah , a p*** da vida dos portugueses...



Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

Bom dia


 Flores envenenadas na jarra. Roxas azuis, encarnadas, atapetam o ar. Que riqueza de hospital. Nunca vi mais belas e mais perigosas. É assim então o teu segredo. Teu segredo é tão parecido contigo que nada me revela além do que já sei. E sei tão pouco como se o teu enigma fosse eu. Assim como tu és o meu.

Clarice Lispector
Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

segunda-feira, setembro 11, 2017

A Ballade of Suicide


The gallows in my garden, people say,
Is new and neat and adequately tall;
I tie the noose on in a knowing way
As one that knots his necktie for a ball;
But just as all the neighbours on the wall
Are drawing a long breath to shout "Hurray!"
The strangest whim has seized me... After all
I think I will not hang myself to-day.

To-morrow is the time I get my pay
My uncle's sword is hanging in the hall
I see a little cloud all pink and grey
Perhaps the rector's mother will NOT call
I fancy that I heard from Mr. Gall
That mushrooms could be cooked another way
I never read the works of Juvenal
I think I will not hang myself to-day.

The world will have another washing-day;
The decadents decay; the pedants pall;
And H.G. Wells has found that children play,
And Bernard Shaw discovered that they squall;
Rationalists are growing rational
And through thick woods one finds a stream astray,
So secret that the very sky seems small
I think I will not hang myself to-day.

ENVOI

Prince, I can hear the trumpet of Germinal,
The tumbrils toiling up the terrible way;
Even to-day your royal head may fall
I think I will not hang myself to-day.

By G.K. Chesterton
 


Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

Descansem em paz vítimas e heróis

Descansem em paz.




Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

sexta-feira, setembro 08, 2017

Torce o braço

A expressão "dar o braço a torcer" é gira até determinada idade e em determinadas circunstâncias.
Numa relação afectiva, não existe (isto é apenas a minha forma de ver e de agir) essa do orgulho. Não queremos ser felizes, estar em paz com os que amamos? Então qual o motivo para não darmos o passo que falta? Para os que não torcem o braço a resposta é simples e ridícula : "Porque fui eu na última vez!" para mim, estou -me nas tintas para isso, fui eu? E se tiver que ser sempre eu? Sou. Estou a tratar da minha felicidade,da minha serenidade , que neste momento da minha vida é crucial, e não admito nem a mim, permitir que me façam mal. Acho que a calma imensa que o meu pai transmite, como cidadão, como marido, como padrasto influencia, a mim e outras pessoas. 
Que se dane o braço torcido, 





Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

Bom FDS

Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

quarta-feira, setembro 06, 2017

Como se faz para pedir algo muito importante?

É isto ou eu mato-me?
Ah , não seja radical..
A pessoa mata-se ..
"Pois podia tanta gente ter ajudado, também que precipitado/a"



Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

Private

Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

terça-feira, setembro 05, 2017

Não há tanta necessidade

Não existe nada de sexy em ser alguém "bruto". Na verdade todos temos defeitos e qualidades... e características. E temos todas!
A vida assim o exige. O que me faz concluir que ninguém é tão mau como eu penso ou eu não sou tão má como quem pensa isso de mim.
A questão que se põe, mais direccionada para o mundo virtual, é a seguinte: precisam mesmo de uma cara e um nome para falarem, debaterem? Imagem que (tem piada mas vá, tentem) existe mais do quem anónimo porreiro (eu tenho um bem fixe, o Lucas) com que se consegue conversar? Não é porque o Face pode ter falhas (como tudo na vida) e blá blá blá que não se podem conhecer pessoas efectivamente simpáticas, amigas com quem podemos criar uma ligação...



Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

Bom dia

Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

sábado, setembro 02, 2017

Desenhos que queremos ver

Andava ele pela rua, a olhar para todas as pessoas e imaginava para cada uma delas uma história.
O mundo era uma tábua rasa que ele insistia em desenhar a carvão histórias de cada pessoa com quem se cruzava. Queria esquecer a dele, queria esquecer que havia falhado, sentia que não útil ao mundo, limitava-se a escrever, todos os dias, uma novas história das mesmas pessoas com quem se cruzava no prédio, no autocarro... Reduziu-se e estava bem com isso.



Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

Start and relax

Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...