quarta-feira, agosto 16, 2017

Não vales nada

Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

Cheguei a conclusão Que tu nem tens noção Mais vale um sábio louco Do que um burro sem razão Tens sempre opinião Queres sempre ter razão Só não esqueças que o mundo Gira noutra direcção 
 Cansei de te explicar Mas tu não queres aprender Não queres dar o braço Pra não torcer Mas queres me abraçar 
Não dá para entender Acho que não tens ideia Que o teu castelo é de areia Nunca aprendes a lição 
Vives num mundo de ilusão 
 E agora sou eu Quem não quer saber Ahh ahh ahh Ah ahh ahhhh Podes me ofender Que eu não quero saber Ahh ahh ahh Ah ahh ahhhh 
E até de óculos escuros Consigo ver

Sem comentários:

Enviar um comentário

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.