sexta-feira, julho 07, 2017

T.F.

Como poderia eu negar amor a alguém que chorou quando me falou da sua história com o seu cão?
Sim, deitado no meu colo, foste um homem a sério e amei-te tanto por isso com o Convento como testemunha...
Sabias tudo sem ser preciso dizer nada, o teu cão, raça rara, meu companheiro e amigo era lindo... 
O sexo era fenomenal, nem que estivéssemos a cair para o lado, eram gritos, quedas da cama, nas escadas, no chão, à noite na varanda e tu deixavas-me fazer tudo...
Da tua boca ouvi numa quinta: "Eu vou agora para casa e só te largo Domingo, sem telemóveis e levo o F. comigo" 
Amei-te tanto mas a tua droga e eu não nos damos bem.


Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.