quarta-feira, junho 21, 2017

Mundos que fundem

O mundo desaparece quando estás por perto... Não negues, é a forma como nos tocamos, como sabes o sabor de cada esquina do meu corpo e eu sei exactamente o que fazer para entrarmos no nosso mundo, para te fazer sentir vivo. Diz que precisas disto, de mim! Mais do que qualquer coisa, precisas da minha entrega total, para perceber os teus segredos e aceitar-te.
Excita-me.
Devora-me.
Cola o teu peito às minhas costas e diz o meu nome... 
Já!





 

Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

1 comentário:

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.