terça-feira, maio 16, 2017

Na medida certa

Sem querer, nem quero recordar passado ou projectar o futuro. O passado já foi, restam as recordações e devidas lições e recordações.
Aqui, à tua frente, o frio que que a minha pele sente sente não é o meu frio. Estou apenas a ouvir o que dizes e , aí, as tuas palavras são minhas.
Existe um bocado de mim que é teu mas há muito teu que é meu. Pareces um retrato da minha mente, que não mede emoções, que se entrega,

Dizes que não percebes mas soltas um sorriso porque dizes que o meu sentimento por ti não não tem explicação; nunca és mais do que quero, és apenas na medida certa.




Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.