quarta-feira, maio 24, 2017

Das falhas

Tenho bem presente as falhas da minha vida: umas espontâneas e outras más decisões minhas.
Tenho também presente que perfaz o meu percurso até aqui e esta nova época que estou a viver, outro percurso com um objectivo muito específico que afecta outras pessoas, nada tem , ou terá de errado, daqui a uns anos.
As escolhas que fazemos são nossas, não nos arrancam bocado nenhum à nossa essência: umas não passam de palavras e outras não passam de actos influenciados por falta de maturidade e/ou desespero. Na verdade essas escolhas, esses trilhos que percorri tornaram-me a gaja mais forte que conheço, vou à luta, aliás sempre fui, nem sempre da forma mais correcta mas nunca me deixei ficar. Por isso.



Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.