quinta-feira, abril 13, 2017

A ti, que sabes que és tu...

Às vezes a intimidade e a troca de escritas sempre com tendência para a brincadeira, toldam-me a visão/noção do quanto gosto de alguém. Não te tenho tratado bem, porra não tenho mesmo.
Mas estou sempre de olho em ti, afinal há quantos anos nos falamos? Por quantos blogues passámos, até te pus num blog de equipa, lembras-te? 
Por isso, a ti que te adoro e te considero meu amigo, peço desculpa. Espero que aceites as minhas desculpas.



Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

16 comentários:

  1. Respostas
    1. Espero que sim, gosto mesmo muito dele...

      Eliminar
  2. E eu? E eu?
    (isto vem-se - ihihihih - a talho de foice ou, como prefiro dizer, a talho de foda-se)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, eu este fim-de-semana mando publicações nem que seja da rave que vou fazer em Fátima :P

      Eliminar
    2. Fico em pulgas (pelo menos sinto comichão)...

      Eliminar
    3. Lava-te com água benta nas partes...

      Eliminar
    4. Credo! Prefiro ir directamente para o sétimo céu sem passar pelos primeiros seis, que são uma seca... dizem...

      Eliminar
    5. Céu? muaaaaahhhhhhhhhh

      Eliminar
    6. Só o sétimo. Não podemos é enganar-nos a contar.

      Eliminar
  3. Ok, não precisavas de tanto... também sabes que gosto imenso de ti!
    Está tudo bem!

    Um beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Precisava. Adoro-te. (sim, o Pinko vai ver isto e ela sabe o quanto gosto de ti)

      Eliminar
  4. Que saudades que eu tinha de me chamares "tesudo..."

    Um beijo, meu tesão de gaja!

    ResponderEliminar
  5. Um beijo, minha fodilhona boa!

    :))

    ResponderEliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.