sexta-feira, fevereiro 03, 2017

Antigo

De quando andava na faculdade e ia todos os fins-de-semana ao Algarve. Encontrei isto num disco externo antigo.



Estás à beira de mais um ataque de nervos por detestares Lisboa?
Em linguagem que tu, e só tu percebes.
Estás  na merda, estás à espera do período, achas-te, sentes-te e, na verdade, estás sozinha.

Pensa nos olhos verdes e nas coisas que eles dizem.
Pensa naquele olhar contra o pôr-do-sol.
Pensa no preto (Nissan) e nas voltas que ainda podes vir a dar nele, basta que arranjes uma forma de o encostares à parede.

Pensa no teu amigalhaço de sempre que, com os seus defeitos, tu adoras e sentes-te bem na sua companhia. Pensa nas atrocidades que ele não te diz e na calma que sentes quando ouves  os conselhos dele, é que o gajo tem razão… Também ele com olhos verdes.

Pensa nas viagens, é só entrar dentro do teu humilde (mas teu) Vectra e lá vais tu, rumo ao Algarve, ver os teus avós, o teu pai e a Gabriela.

Mas pensa principalmente nos olhos verdes e logo um esboço de sorriso se notará na tua cara.



Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.