quinta-feira, junho 30, 2016

Verdade


Haja ou não deuses, deles somos servos
in Livro do Desassossego

Sou o que quiseres... quando eu quiser.

Saudades

De comida a sério, daquela feita com carinho, em fogão de lenha. Enquanto se conversava sobre o tempo, sobre tempos antigos.
Hoje atira-se tudo para dentro de uma máquina e está feito. Tristeza.


Sou o que quiseres... quando eu quiser.

Bom dia de embalar

Sou o que quiseres... quando eu quiser.

Bom dia com Metallica

Sou o que quiseres... quando eu quiser.

quarta-feira, junho 29, 2016

PDR &Vinicius



Sou o que quiseres... quando eu quiser.

Em frente

Tu não sabes mesmo o que me fizeste
 Se olhares , mesmo ao meu lado, terás a minha perspectiva e verás que o mundo é bom, bonito e não sempre preto e branco como tu me querias ter. Porque não podemos nós soltar amarras e mudar tudo na nossa vida? TUDO! Estamos tão presos a modos de vida que nos foram impostos pela sociedade que nos esquecemos que existem , em belas ilhas, sociedades auto-suficientes, pessoas que fizeram votos de pobreza, dando o seu ordenado ao pobres , ficando apenas com básico (Miguel, esta é para ti)...
Ouves uma música que tanto mexe contigo que um dia ligas o carro, pões a música no volume máximo e dizes, seja o o que eu quiser. O que desvaloriza, o que te molha a face com lágrimas, o que te faz ter saudades, o que te dá um nó na garganta, fica para trás. À tua frente nem tu sabes, apenas sabes que o que quer que te aconteça, será sempre para o teu bem, Assim dizem que o Universo está organizado...
Sou o que quiseres... quando eu quiser.

Bom dia sob pressão

Sou o que quiseres... quando eu quiser.

segunda-feira, junho 27, 2016

Ontem de manhã

Ontem foi assim, deitados na relva depois de uma caminhada solidária.
Sabe-me cada vez melhor levantar-me cedo para caminhar ou trabalhar... 




Sou o que quiseres... quando eu quiser.

Quem se habilita?



O fato é que eu concordo com o conceito do Arruda sobre gostar de mulher. Não basta ser heterossexual, o machão latino. Para gostar de verdade de uma mulher são necessários outros requisitos que são raros. Por isso a mulherada anda tão insatisfeita. Sensibilidade é fundamental. Paciência também. O homem que não tem paciência para escutar a necessidade que a mulher tem de falar, ou sensibilidade para cativá-la a cada dia não gosta de mulher. Pode gostar de sexo com mulher. O que é bem diferente. Gostar de mulher é algo além, é penetrar em seu universo, se deliciar com o modo com que ela conta todo o seu dia, minuto por minuto, quando chega do trabalho. Ficar admirando seu corpo, ser um verdadeiro devoto do corpo feminino, as curvas, o cabelo, seios. Mas também cultuar a sagacidade feminina, sua intuição, admirar seu sorriso que é muito mais espontâneo que o nosso. Gostar de mulher é querer fazer a mulher feliz. Levar flores no trabalho sem nenhum motivo a não ser o de ver seu sorriso. É escutar pacientemente todas as queixas da chefa rabugenta, que provavelmente é assim porque seu homem não gosta de mulher. O homem que gosta de mulher não está preocupado em quantas mulheres ele comeu durante a vida, mas sim com a qualidade do sexo que teve. Quantas mulheres ele realizou sexualmente, fazendo-as se sentirem desejadas, amadas, únicas, deusas, na cama e na vida. O homem que gosta de mulher não come mulher. Ele penetra não só no corpo, mas na alma, respirando, sentindo, amando cada pedacinho do corpo, e, é claro, da personalidade. "Para viver um grande amor é necessário ser de sua dama por inteiro", afirmou Vinícius de Morais no poema "Para viver um grande amor". Para amar verdadeiramente uma mulher o homem deve ser totalmente fiel, amá-la até a raiz dos cabelos. Admirá-la, se deixar apaixonar todo dia pelo seu sorriso ao despertar e principalmente conquistá-la, seduzi-la, como se fosse a primeira vez. O homem que não tem paciência, nem tesão, nem competência para lhe seduzir várias e várias vezes, esse, minha amiga, não se iluda, não gosta nem um pouco de mulher. Conquistar o corpo e a alma de uma mulher é algo tão gratificante que tem que ser tentado várias vezes. Só que alguns homens, os que não gostam de mulher, querem conquistar várias mulheres. Os que gostamos de mulher é que conquistamos várias vezes a mesma mulher. E isso nos gratifica, nos fortalece e nos dá uma nova dimensão. A dimensão da poesia, do amor e em última instância do impenetrável universo feminino. Mas atenção amigos que gostam de mulher: gostar de mulher e penetrar em seu universo não é torná-las cativas e sim libertá-las, admirá-las em sua insuperável liberdade. Como se vê, gostar de comer mulher é fácil. Agora gostar de mulher é dificílimo. Precisa ser macho de verdade para isso. Quem se habilita?

Arnaldo Jabor, jornalista brasileiro


Sou o que quiseres... quando eu quiser.

Bom dia com ritmo

Sou o que quiseres... quando eu quiser.

domingo, junho 26, 2016

Pinkipedia

Quando a dúvida invade, tudo parece refutável.
Nesta fase, só me resta ter as minhas certezas e "sorrir e acenar". O que é um link? O que é um blog? Quando estou com o meu pai, o que são haters quando há um jantar de turma da faculdade? Vida real é tudo.
Amizades virtuais são o saldo positivo.
Sou o que quiseres... quando eu quiser.

Bom Domingo

Sou o que quiseres... quando eu quiser.

sábado, junho 25, 2016

E então? O que fazem?



Sou o que quiseres... quando eu quiser.

Visão raio-X

Há poucos dias num blog amigo, surgiram duas anónimas, "de Sines", uma delas mostrou-se ofendida comigo na qualidade de mulher pois havia visitado o meu blog e leu um post que a desagradou... Porra, só um? E que recebi elogios
que não merecia, ela é juíza, daquelas maluquinhas..

Atentem: o post que esta senhora refere, foi arquivado como rascunho há mais de um mês.

Sou o que quiseres... quando eu quiser.

Bom dia comigo à tua espera

Sou o que quiseres... quando eu quiser.

sexta-feira, junho 24, 2016

De José Saramago

As palavras são boas. As palavras são más. As palavras ofendem. As palavras pedem desculpas. As palavras queimam. As palavras acariciam. As palavras são dadas, trocadas, oferecidas, vendidas e inventadas. As palavras estão ausentes.
Algumas palavras sugam-nos, não nos largam... As palavras aconselham, sugerem, insinuam, ordenam, impõem, segregam, eliminam. São melífluas ou azedas. O mundo gira sobre palavras lubrificadas com óleo de paciência. Os cérebros estão cheios de palavras que vivem em boa paz com as suas contrárias e inimigas. Por isso as pessoas fazem o contrário do que pensam, julgando pensar o que fazem. Há muitas palavras. E há os discursos, que são palavras encostadas umas às outras, em equilíbrio instável graças a uma precária sintaxe, até ao prego final do disse ou tenho dito. Com discursos se comemora, se inaugura, se abrem e fecham sessões, se lançam cortinas de fumo ou dispõem bambinelas de veludo. São brindes, orações, palestras e conferências. Pelos discursos se transmitem louvores, agradecimentos, programas e fantasias. E depois as palavras dos discursos aparecem deitadas em papéis, são pintadas de tinta de impressão - e por essa via entram na imortalidade do verbo. E as palavras escorrem tão fluidas como o "precioso líquido". Escorrem interminavelmente, alagam o chão, sobem aos joelhos, chegam à cintura, aos ombros, ao pescoço. É o dilúvio universal, um coro desafinado que jorra de milhões de bocas. A terra segue o seu caminho envolta num clamor de loucos, aos gritos, aos uivos, envoltos também num murmúrio manso, represo e conciliador... E tudo isso atordoa as estrelas e perturba as comunicações, como as tempestades solares. Porque as palavras deixaram de comunicar. Cada palavra é dita para que se não ouça outra palavra. A palavra, mesmo quando não afirma, afirma-se. A palavra não responde nem pergunta: amassa. A palavra é a erva fresca e verde que cobre os dentes do pântano. A palavra é poeira nos olhos e olhos furados. A palavra não mostra. A palavra disfarça. Daí que seja urgente moldar as palavras para que a sementeira se mude em Seara. Daí que as palavras sejam instrumento de morte - ou de salvação. Daí que a palavra só valha o que valer o silêncio do ato. Há também o silêncio.
O silêncio, por definição, é o que não se ouve. O silêncio escuta, examina, observa, pesa e analisa. O silêncio é fecundo. O silêncio é a terra negra e fértil, o húmus do ser, a melodia calada sob a luz solar. Caem sobre ele as palavras. Todas as palavras. As palavras boas e as más. O trigo e o joio.
Mas só o trigo dá pão.



Sou o que quiseres... quando eu quiser.

Bom dia com uma fadista (PDR, o vídeo foi esclhido para ti)

Sou o que quiseres... quando eu quiser.

quinta-feira, junho 23, 2016

Estou desiludida

A minha vespinha já teve as meninas e ninguém foi ao blog dar os parabéns! 
Cambada pá!!!

Sou o que quiseres... quando eu quiser.

O que acham?


Mente: um belo criado mas um mestre perigoso

Sempre ouvi as outras pessoas dizerem que temos que gostar de nós primeiro para gostarmos dos outros. Eu, discordo. Não gostando de nós, mas tendo alguém que gosta de nós, pode ajudar-nos a elevar a auto estima e aí sim, alguém gostar de si mesmo.
Como diria a velhinha frase da publicidade: “Se eu não gostar de mim, quem gostará?", eu respondo: "outra pessoa, pode gostar e fazer-te descobrir coisas boas em ti".
O que acham?


Sou o que quiseres... quando eu quiser.

Bom dia com quem sabia dançar

Sou o que quiseres... quando eu quiser.

quarta-feira, junho 22, 2016

A minha casa parece outra

consegui ter o Pc ligado todo dia e dar uma volta à casa, que valha-me Deus, se a bacia ainda estivesse descaída não conseguia. Desculpem se não respondi a algum comentário. Agora vou ali "falar com o meu Pinko!





Sou o que quiseres... quando eu quiser.

Esmy também fala de cbs... de haters

 Ora vejam

Sou o que quiseres... quando eu quiser.

Façam lá o favor

De ir ver esta menina e comentar a minha prendinha... 




Sou o que quiseres... quando eu quiser.

O que os haters querem, afinal? Por outra blogger no sapo

Deste blog amigo do sapo  


Nesta semana, através de comentários que vi em alguns blogs, descobri que não posso mais continuar por cá (nem eu nem a maioria de vocês, lamento)! É que, segundo ''anonimos'', quem escreve num Blog tem de ter, no mínimo, um Mestrado em Português e uma Formação em ''Criação e Manutenção de blog''... Como sou menina para ter -humildemente- o 12°ano e um CET em Gestão da Qualidade, penso que tenho de dizer adeus.
Onde é que se tira o curso disto? Ler um livro bastará? Ou é preciso ir às aulas?!
Já agora, com o tempo que gastam a destilar ódio por blogs alheios, porque não se preocupam em fazer um blog vosso - todo certinho e direitinho? (Ou tratar do que já têm!) Ou porque não seguem o tipo de blogs que gostam?
A malta anda aqui somente por diversão (muitas até para para se distrairem um pouco da vida que têm) e não porque querem viver disto! (pelo menos a malta que sigo diariamente!).
Muitos dos bloggers usam o seu Blog como um ''escape'' da vida real...se querem profissionalismo existem blogs profissionais. 
Existe fiscalização de blogs? (É que se existe andam em falha aí com alguma malta!)
Cada vez mais me sinto prestes a ser multada por alguma infracção cometida por aqui!
Se calhar o facto de andar sempre a dizer que sou campónia não abona a meu favor, pois não? Vou regar e já venho...


Visitem:  http://ladyvih.blogs.sapo.pt/http://ladyvih.blogs.sapo.pt/
Sou o que quiseres... quando eu quiser.

Bom dia com falta de açúcar

Sou o que quiseres... quando eu quiser.

terça-feira, junho 21, 2016

A máscara que me estrangula

Eu durmo assim mas é tudo transparente
Pronto, eu sei que tenho uma parafuso a menos e comentei isto agora num blog e decidi partilhar convosco...
 Durmo com um ventilador que tem máscara facial para me preparar no sentido de não fazer apneia quando levar anestesia geral quando for operada. 
Certa noite comecei a sonhar que aquilo me estava a estrangular e arranquei tudo da cabeça e cara com toda a força (aquilo é propriedade do hospital) e olhei para o meu homem disse: "Ouve lá! Então vês que isto me está a matar e não fazes nada?" Ele ficou com cara de quem diz "olha não tomou as drogas" e dormiu...




Sou o que quiseres... quando eu quiser.

Bom dia com um ponto de vista

(letra fabulosa!) Sou o que quiseres... quando eu quiser.

segunda-feira, junho 20, 2016

Dançar com a mente

imagem minha sem permissão para qq tipo de partilhas
Começa a melodia, porque há tanta gente a olhar para a lua?
Dançam com a mente, com os mortos, com invisíveis, dançam sozinhos. A única forma de protesto é essa. O ondular de corpos ao som da melodia da alma, porque todos estamos em estados diferentes de evolução, porque se todos amássemos da mesma forma, seríamos apenas seres. E não somos, somos pessoas que se mostram, que sentem, que choram, pessoas que se mutilam, que se tentam suicidar, pessoas que compram rosas e temos que as aceitar. Correr por um campo fora, sem saber se se cai num abismo ou não... se fosse possível destruir o mau que há na sociedade, será que alguém o faria...
Mutilam-se todos os dias sem saber...

Sou o que quiseres... quando eu quiser.

Não olhes para o mar

oh cabras sem permissão para qq tipo de partilha
Olha para mim

Sou o que quiseres... quando eu quiser.