sexta-feira, dezembro 02, 2016

Custa, não custa?

Porque muito que custe a algumas pessoas, até a mim, nem sempre conseguimos marcar a diferença e temos gostos como os das massas. Temos gestos banais e opiniões iguais aos demais.
Por muito que custe, todos apreciamos o que , aos olhos de cada um é belo, terno, sereno e calmo. E expressamos isso, ou então ficamos em silêncio pelos nossos serem preciosos demais.
A vida, essa, é para todos, tal como a morte e o Sol como costumam dizer.
O que não  me custa, é dar-me com pessoas que sejam banais, mas genuínas, que sejam pobres mas dóceis e amigas.
O custa às falsas personagens que andam por este mundo, um lugar para eles também, essas, não são o querem parecer, porque são seres humanos. Não se pode negar o básico do instinto humano.
Existem também aqueles que , por motivos de trabalho, viajam imenso, tendo eu sido casada no passado com uma pessoa que todos os meses ia pra um país diferente (e por vezes eram meses e verões inteiros fora), também se percebe que se pode ir mil vezes buscar alguém ao aeroporto que o sentimento é o mesmo, saudade antecipada, da outra parte, a promessa de telefonemas, contacto pelas novas tecnologias ...Nada nos faz não ter o mais básico de um ser humano mas sim, explorado  de formas muito diferentes.
So sorry guys.


Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

4 comentários:

  1. há muito que aprendi que as pessoas são BASICAMENTE iguais. todos queremos o mesmo no que diz respeito ao fundamental da vida. o resto são pormenores. e é nos pormenores que está a diferença. pequenas coisinhas que nos fazem amar ou desamar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A não ser claro, os psicopatas... Que são mais do que aqueles que nós pensamos...

      Eliminar
  2. Viver um momento de cada vez...Pink...
    A descoberta do outro..por vezes torna...o mundo monocromatico..em algo colorido...poucas vezes mas acontece...:)))))
    Beijos...

    ResponderEliminar
  3. Pouco a pouco Pink, temos de nos rodear de boas pessoas e esquecer aquelas que nos provocam desgosto e sofrimento. As pessoas podem ser banais, mas valiosas para nós e isso é o mais importante!
    Beijinhos,
    http://chicana.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.