segunda-feira, novembro 07, 2016

Da rameira para o Fleuma

Não percam tempo a partir ossos quando as pessoas gostam de ter ossos partidos.
Não lhes confortem a alma que se dilui na alegria de ser um nada no meio do nada, de ter em si um vazio negro onde apenas pensamos que aquilo foi criado por Dante.
Dante?
Jamais! 
Nenhum criador de grandes obras pegaria numa molécula que fede, que se arrasta por um teclado e tem ao seu lado um dicionário que lhe ensina onde fazer parágrafos. O que escrevemos, deve sair do coração, ou ninguém teria um estilo próprio, ninguém daria erros. Ninguém alcança a fleuma vivendo numa escuridão tão densa que só quem tem a mesma maldade o aplaude.
Só e apenas e hoje está um belo dia de Sol, o lado positivo? O meu cão não tem dores e a roupa seca. Pareço sopeira? Não estou apenas a fugir de uma escuridão depressiva e autodestrutiva onde as pessoas pensam que ao pegarem numa lâmina se estão a escurecer ainda mais. Estão apenas a ofender aqueles que lutam diariamente para sair da doença que é a automutilação. Esses precisam e querem ajuda! (aqui encontram)







Sou uma força da natureza, não tentes destruir - me...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.