segunda-feira, julho 04, 2016

SEntes , pensas-Mas não sabes (alterei o título

 Sentes, Pensas e Sabes que Pensas e Sentes

Dizes-me: tu és mais alguma cousa
Que uma pedra ou uma planta.
Dizes-me: sentes, pensas e sabes
Que pensas e sentes.
Então as pedras escrevem versos?
Então as plantas têm idéias sobre o mundo?

Sim: há diferença.
Mas não é a diferença que encontras;
Porque o ter consciência não me obriga a ter teorias sobre as cousas:
Só me obriga a ser consciente.

Se sou mais que uma pedra ou uma planta? Não sei.
Sou diferente. Não sei o que é mais ou menos.

Ter consciência é mais que ter cor?
Pode ser e pode não ser.
Sei que é diferente apenas.
Ninguém pode provar que é mais que só diferente.

Sei que a pedra é a real, e que a planta existe.
Sei isto porque elas existem.
Sei isto porque os meus sentidos mo mostram.
Sei que sou real também.
Sei isto porque os meus sentidos mo mostram,
Embora com menos clareza que me mostram a pedra e a planta.
Não sei mais nada.

Sim, escrevo versos, e a pedra não escreve versos.
Sim, faço idéias sobre o mundo, e a planta nenhumas.
Mas é que as pedras não são poetas, são pedras;
E as plantas são plantas só, e não pensadores.
Tanto posso dizer que sou superior a elas por isto,

Como que sou inferior.
Mas não digo isso: digo da pedra, "é uma pedra",
Digo da planta, "é uma planta",
Digo de mim, "sou eu".
E não digo mais nada. Que mais há a dizer?

Alberto Caeiro, in "Poemas Inconjuntos"
Heterónimo de Fernando Pessoa

Sou o que quiseres... quando eu quiser.

7 comentários:

  1. Boa tarde Pink Poison
    Gostei de ler este poema/texto. Boa escolha.

    Será que, ainda não mereço a sua visita? Tinha muito gosto em recebe-la no nosso blogue, no meu tema. Obrigada

    Espero por si
    Aqui-> http://deliriosamoresexo.blogspot.pt/
    Bjos ;-)

    ResponderEliminar
  2. Claro,que se dane quem quis plantar o mal e a Larissa sabe que quando o termo é violência , a mim remete-me para a minha eperiência e acho que ontem te chamei Vanessa será? Desculpa...
    Amigas as always! bejos

    ResponderEliminar
  3. Digo isto tantas vezes a mim próprio e principalmente aos outros: não sou melhor nem pior que ninguém, sou apenas diferente. E, sim, faz todo o sentido que esta mesma ideia se aplique aos outros seres (vivos ou inanimados).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto de ti, deste teu lado sério. E adoro o divertido. Beijo

      Eliminar
    2. Gostas de mim? Olha, e assim já somos dois! :P Pronto, o palhaço voltou :P Eu também gosto de ti, sabes? Da tua profundidade, frontalidade e da abordagem que fazes a temas tão interessantes e de sumária importância. Fã, podes apostar ;) Beijinhos

      Eliminar
  4. Belo poema!!!
    A poesia portuguesa (já falei isso!!!) é coisa séria!!!!

    ResponderEliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.